rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Cirurgia Plástica França Medicina Prótese Prótese mamária Silicone PIP

Publicado em • Modificado em

Autoridade sanitária reitera que próteses francesas são seguras

media
Enfermeira mostra uma prótese de silicone defeituosa da marca francesa PIP, extraída de paciente na cidade de Nice no último dia 5 de janeiro. REUTERS/Eric Gaillard

As autoridades sanitárias francesas afirmaram ontem que todas as próteses mamárias vendidas no país estão “nas normas”, e se negou a avaliar os produtos por classificação de qualidade. A Agência Francesa de Produtos de Saúde (Afssaps) decidiu se pronunciar depois que um cirurgião demonstrou desconfiança sobre a segurança dos produtos disponíveis no mercado.


Uma das líderes do mercado francês e mundial, a PIP, é acusada de vender silicone defeituoso, feito com material industrial e impróprio para o uso humano. “A campanha de inspeções realizadas após o caso PIP junto aos fabricantes não revelou nenhuma inconformidade”, disse um representante da agência.

Na véspera, Maurice Mimoun, cirurgião-chefe do Serviço de Cirurgia Plástica Reconstrutora e Estética do hospital Saint Louis, em Paris, havia declarado que a Afssaps negou o seu pedido de saber os índices de ruptura de cada marca. Este era o principal problema das próteses PIP, o que provocava o vazamento do líquido para o corpo das usuárias. “Quero saber qual é a composição dos géis e a taxa de resistência das capas protetoras, laboratório por laboratório”, disse. “Nós não somos uma agência de classificação de risco”, retrucou a agência francesa.

Face aos riscos das próteses PIP, o governo francês recomendou a retirada do silicone de 30 mil mulheres que portavam o silicone da marca no país. Ontem à noite, o dono da empresa, Jean-Claude Mas, criticou a atitude do Ministério da Saúde, afirmando que o produto não é tóxico.

“O ministro, ate onde eu sei, não é um cientista. Ou seja, era impossível de ele saber se esse gel era tóxico ou não, e agora tem 500 mil pacientes com dúvidas”, argumentou. O homem, que até hoje ainda não foi visto em público desde que o escândalo eclodiu, ainda repetiu que jamais escondeu que utilizava um produto não autorizado pelas autoridades sanitárias francesas.

Ontem, a Organização Mundial da Saúde se expressou pela primeira vez desde que o caso veio à tona e aconselhou todas as mulheres no mundo que consultem seus médicos, caso elas sintam dores e suspeitem de uma ruptura do implante da marca PIP.