rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Giuseppe Conte é nomeado chefe de governo italiano

Airfrance Aviação França Greve

Publicado em • Modificado em

Greve nos aeroportos franceses continua nesta quarta-feira

media
Aeroporto de Nice, no sul da França, ficou praticamente vazio durante o dia. REUTERS/Eric Gaillard

A paralisação dos funcionários do transporte aéreo francês entra em seus terceiro dia com uma mobilização cada vez maior. A companhia Air France, a mais afetada com o movimento, prevê o cancelamento de 40% de seus trajetos transcontinentais nesta quarta-feira. Os passageiros partindo de Paris para o Brasil na noite desta terça-feira puderam embarcar sem problemas. 


Segundo o SNPL, principal sindicato de pilotos da França, 60% da categoria aderiram ao movimento de greve. Nesta terça-feira 30% dos voos da Air France foram cancelados. A companhia aérea, a mais afetada com a paralisação, já prevê para esta quarta-feira o cancelamento de 40% de seus trajetos intercontinentais e 30% das viagens regionais. Os pilotos, comissários de bordo e funcionários de solo pretendem continuar de braços cruzados pelo menos até quinta-feira.

Para evitar tumulto nos aeroportos franceses, as companhias aéreas têm mantido os passageiros informados por meio de e-mails e sms. Desde segunda-feira, 120 mil mensagens com a situação das decolagens já foram enviados aos viajantes. A Air France também facilitou as condições para a mudança de data das passagens emitidas para esta semana. De acordo com o serviço de informação do aeroporto de Paris Charles de Gaulle, todos os voos com destino ao Brasil com partida prevista para a noite desta terça-feira decolaram sem grandes atrasos.

Os aeroviários franceses protestam contra um projeto de lei que quer obrigar os trabalhadores do setor a se declarar grevistas no mínimo 48 horas antes do início da paralisação. No dia 15, o Senado francês vai votar um projeto de lei para que essa regra seja formalizada, porém os sindicatos veem na proposta uma afronta ao direito de greve. Eles também protestam contra a imposição do serviço mínimo durante as mobilizações sociais.