rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Zika OMS Guiana

Publicado em • Modificado em

França restringe doação de sangue para quem visitou áreas com zika

media
Franceses que viajaram para países com epidemia de zika deverão aguardar quase um mês antes de doar sangue. REUTERS/Ivan Alvarado

Os franceses que visitaram países onde há infestação do mosquito transmissor do vírus zika devem esperar pelo menos 28 dias antes de poder doar sangue na França. O anúncio feito na manhã deste domingo (7) pelo ministério da Saúde segue exemplos das autoridades do Canadá e da Grã-Bretanha.


Em entrevista à imprensa francesa, a ministra Marisol Touraine explicou que o objetivo do prazo é verificar se os doadores ao voltarem à França não estejam contaminados com o vírus. Touraine explicou ainda que nos territórios ultramarinos franceses no continente americano, como Guadalupe e Guiana, todos os testes de sangue serão testados antes de uma doação.

Na quarta-feira, as autoridades canadenses anunciaram que os cidadãos que viajaram em áreas de risco do vírus zika deverão aguardar 21 dias para poder doar sangue. A Grã-Bretanha também adotou procedimento semelhante, mas com um prazo de no mínimo 28 dias.

Medida de precaução “apropriada”

Na quinta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou "apropriada" a suspensão de doações de sangue de pessoas que tenham visitado países e áreas onde há forte presença do zika vírus.

"Diante do risco de novas infecções do vírus zika em vários países, e a possível ligação entre o vírus e a microcefalia e outras consequências clínicas, adiar as doações de sangue dos que voltam de regiões onde é forte a epidemia de zika é considerada uma medida de precaução apropriada", afirmou a OMS para a agência de notícias AFP.

A ministra francesa da Saúde, no entanto, disse durante a entrevista que não há motivos para "pânico" nem uma "ansiedade inútil". Segundo Marisol Touraine, até o momento não há casos de zika na França. No entanto, casos já foram registrados em diversos territórios franceses no continente americano como Guiana, Martinica e Guadalupe, lembrou a ministra.