rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Hooligans têm afinidades com jovens de movimentos extremistas

Por Alfredo Valladão

Futebol nunca foi para frágeis donzelas bem educadas. Nem nas arquibancadas, nem nos arredores dos estádios. O símbolo da galera violenta são os hooligans ingleses que preferem muito mais entrar na porrada do que seguir o jogo. Claro, torcedores violentos sempre existiram, mas na Europa estão descambando para a maldade pura e simples.

Logo no começo da Eurocopa, a polícia francesa foi obrigada a intervir numa verdadeira batalha campal em Marselha para apartar torcedores russos e ingleses. Balanço: quase 40 feridos e um jovem britânico entre a vida e a morte. Mesmo cenário em Nice, entre Irlandeses do Norte e delinqüentes locais. A FIFA fala de “uma minoria de idiotas” responsáveis pelos atos de barbárie. Só que é muito mais do que isso.

Campeonato com times nacionais já provocam entusiasmos nacionalistas. Mas o patriotismo da camiseta é uma festa popular até que demagogos comecem a instrumentalizar as torcidas. Em todos os países europeus estão proliferando movimentos chauvinistas e xenófobos. E o ódio não é só contra os muçulmanos, os imigrantes ou os judeus. É também contra as próprias nacionalidades européias vizinhas e grupos internos, culturais, étnicos, religiosos ou sexuais.

Não é por nada que a FIFA estabeleceu uma lista de partidas com risco de violência: Alemanha/Polônia, Inglaterra/País de Gales ou Croácia/Turquia.... Uma organização anti-racista francesa já pediu que os torcedores croatas fossem proibidos de cantar um hino de um autor de extrema-direita, um admirador do nazismo e da colaboração da Croácia com Hitler na Segunda Guerra Mundial. É como se, de repente, voltasse à tona o velho passado de guerras e agressões no Velho Continente.

"Torcedores violentos são baderneiros que nunca viveram o horror das guerras europeias"

Os torcedores violentos são jovens, os mesmos que também estão sendo atraídos pelos movimentos nacionalistas extremistas. São baderneiros que nunca viveram o horror das guerras européias e mundiais com seus milhões de mortos. Nem a manipulação de ditadores populistas – comunistas ou fascistas – que utilizaram povos inteiros como bucha de canhão. Uma juventude que não tem lembrança dos obstáculos e da forte vontade política para enfrentá-los que foi preciso para construir a União Européia.

Apesar de seus problemas – e são muitos – o Velho Continente ainda é uma região de paz e relativa prosperidade – sobretudo comparada com o resto do mundo. Só que hoje, muitos políticos convencionais, morrendo de medo eleitoral frente ao sucesso dos extremistas, vem jogando lenha na fogueira. Na Inglaterra, o referendum para decidir ficar ou sair da União Européia criou um ambiente exacerbado contra qualquer coisa que venha do estrangeiro e isso também vem alimentando as torcidas e os grupos violentos.

Pior ainda, a própria Grã-Bretanha está ameaçada já que a Escócia e a Irlanda do Norte não querem nem saber de sair da Europa e ameaçam partir para a independência. A reação inaceitável do presidente turco Erdogan diante do reconhecimento pelo parlamento alemão do genocídio armênio e tratando os deputados alemães de origem turca de “sangue impuro”, aumenta a tensão mais ainda.

Virou moda acusar UE de todos os males

Em vários países europeus virou moda acusar a União Européia de todos os males. E mais grave: regiões separatistas estão se mobilizando para destruir seus próprios países. Essa fragmentação generalizada, que procura bodes expiatórios nos países, regiões, classes sociais ou até bairros vizinhos, é um caldeirão de ressentimentos e violência.

O futebol é um espelho da sociedade. E o futebol mundial reflete esse momento difícil da história da humanidade. Porém, os times europeus ainda representam o coração desse futebol universal. Os hooligans e sua barbárie são os sintomas do que ainda está por vir se os dirigentes democráticos europeus não tomarem coragem para encarar os problemas abertamente e propor soluções que convençam, no mínimo uma maioria de suas populações.

A polícia tem condições para conter os fãs mais imbecis e selvagens. Mas não é a policia que vai impedir que uma juventude desencantada e extremista volte a desejar uma “boa guerra”. E guerra na Europa acaba sempre em guerra para o resto do mundo.
 

Alfredo Valladão, do Instituto de Estudos Políticos de Paris, publica crônica semanal às segundas-feiras na RFI

Repúdio à corrupção é denominador comum das revoltas populares pelo mundo

Morte do líder do grupo Estado Islâmico deve ajudar reeleição de Trump

Traição de Trump aos curdos na Síria ameaça o mundo e pode custar sua reeleição

Sem distância entre juízes e políticos, não dá para limitar poder dos autocratas

Hong Kong acendeu “luz vermelha” em líderes do Partido Comunista chinês

A Amazônia “é nossa”? Sem dúvida. Mas soberania nunca significou fazer o que quiser

Mobilizações civis massivas e sem violência são único caminho para defesa da democracia

Opinião: Globalização digital está corroendo Estados-nações nacionais

Opinião: acordo com UE é chance para Mercosul ter mentalidade capitalista moderna

Trump está cavando a cova da autoridade americana, dentro e fora do país