rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Guerra não é religiosa, é ideológica", diz antropóloga Marion Aubrée

Por Márcia Bechara

O RFI Convida recebe a antropóloga Marion Aubrée, especialista em religiões da América Latina pela Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris.

A semana que passou marcou a França com o assassinato do padre Jacques Hamel, que morreu degolado por dois jihadistas em sua paróquia de Saint-Etienne-du-Rouvray, na Normandia, no norte da França. Uma cerimônia fúnebre foi organizada nesta terça-feira (2) na catedral de Rouen, cidade a apenas oito quilômetros do local do ataque terrorista.

A França, país de Voltaire e dos filósofos iluministas, pioneiros na defesa do Estado laico, assiste, não sem certo espanto, ao retorno das identidades religiosas à pauta da agenda nacional. Para conversar sobre o assunto, o RFI Convida trouxe a antropóloga Marion Aubrée. Segundo ela, "a guerra não é política, é ideológica e contra os valores democráticos da cidadania".

"Os muçulmanos que se mobilizaram de forma ecumênica nesta semana perceberam muito bem que se trata de proteger a capacidade de viver juntos, respeitando as diferenças", afirmou a antropóloga. "Daesh (o grupo Estado Islâmico) está utilizando a pobreza e os problemas sociais que se desenvolveram na França nos últimos 20 anos, sobretudo dentro da comunidade muçulmana".

"O conceito de Estado laico não significa rejeitar todas as religiões, mas considerá-las uma escolha de ordem pessoal, esta é a base do princípio de laicidade", finalizou Aubrée.
 

“O melhor urbanismo incentiva as relações sociais, criando uma vida de bairro”, diz Elizabeth de Portzamparc

Karim Aïnouz conta na Berlinale a vida de refugiados em aeroporto alemão

Aplicativo brasileiro de reciclagem que conecta catadores e população é premiado em Paris

“A emoção do rádio é impagável”, diz o narrador esportivo José Silvério

Carnaval revela essência da sociedade brasileira, diz antropólogo Roberto DaMatta

Internet ajudou a criar manifestações de revolta sem líderes, diz psicanalista Ana Costa

“Paul Bocuse adorava o Brasil,” diz chef de cozinha Laurent Suaudeau

“Quem precisa ser pacificada no Rio é a própria polícia”, afirma especialista em favelas

Opinião: Analistas e imprensa europeia têm visão “deformada” do “mito Lula”

“Brasil atual lembra momentos sombrios da história do país”, diz escritor Godofredo de Oliveira Neto

“Incompetência intercultural dificulta relações franco-brasileiras”, alerta linguista francês

Paulo Sérgio Pinheiro critica desprezo de diversos países da ONU com a população síria

“O processo de judicialização do Brasil fez duas vítimas, Lula e Dilma”, diz Luiz Felipe de Alencastro