rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Meio Ambiente
rss itunes

Paris cria parques no rio Sena e jardins no metrô contra a poluição

Por Daniella Franco

Uma Paris mais verde e mais limpa: esse é o objetivo de diversos projetos que investem na criação de espaços para pedestres e ciclistas, novos parques e até jardins dentro de estações do metrô. As autoridades francesas apostam nessas iniciativas para oferecer mais natureza aos parisienses e melhorar a qualidade do ar na capital, depois dos frequentes picos de poluição registrados no último inverno.

O Rives de Seine, um parque de sete quilômetros nas margens do rio Sena, foi recentemente inaugurado, apesar da oposição de alguns políticos em fechar uma parte da região à circulação de veículos. Para a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, o projeto foi ousado, mas necessário.

"Foi preciso ousar para vencermos. Vocês acompanharam a polêmica e o combate que travamos pelo Rives de Seine. Fomos adiante porque precisamos oferecer espaços para a população e para os visitantes nos centros urbanos. Nós não somos contra os carros, mas somos contra a poluição", declarou durante a inauguração do parque.

Embora elogiado por muitos parisienses e turistas, o Rives de Seine não é unanimidade, especialmente entre os motoristas da capital. "Eu moro a cerca de 150 metros do parque. Isso quer dizer que, a partir de agora, para eu voltar do trabalho à noite, o trajeto que eu fazia em 15, 20 minutos, vai durar meia hora, 45 minutos, ou seja, duas ou três vezes mais do que o tempo que eu levava antes", reclama o parisiense Jérôme.

Jardins dentro do metrô

Além do fechamento de algumas vias nos arredores do rio Sena, outras iniciativas tentam levar mais natureza ao dia a dia dos parisienses e talvez possam até convencê-los a deixar seus veículos em casa. A Rede Autônoma de Transportes de Paris (RATP), que gerencia o transporte público na região da capital, desenvolve atualmente um projeto de criação de jardins em algumas estações ao ar livre do metrô, que deve começar a colocada em prática nas linhas 2 e 6 no segundo semestre deste ano.

A ideia surgiu em uma consulta promovida pela rede sobre a melhora dos serviços no transporte público da capital e foram os próprios moradores de Paris que sugeriram os espaços verdes no metrô. Franck Avice, diretor de serviços de relações clientes e espaços da RATP, acredita que essa escolha não foi por acaso.

Divulgação RATP

"Isso demonstra o interesse das pessoas por trajetos que sejam mais verdes e que aliviem um pouco o cinza e o excesso de construções da cidade. A vegetalização das estações de metrô faz parte dessa tendência de tornar a capital francesa mais verde e limpa. E, não há dúvidas, oferecer natureza através dos transportes traz um respiro para os viajantes", afirmou, em entrevista à RFI.

Avice ressalta que, além das operações permanentes, a RATP também planeja colocar em prática projetos temporários de vegetalização do metrô. A primeira delas será realizada em maio, em algumas estações, durante a Festa da Natureza. “O objetivo de todas essas operações é melhorar o cotidiano de nossos viajantes, de forma que eles encontrem um pouco de ‘verde’ em seus trajetos diários”, reitera.

Espaços verdes combatem a poluição

Divulgação paris.fr

A implementação de projetos como esses trouxeram uma melhora efetiva à qualidade do ar na capital francesa, avalia a Airparif. O organismo, que controla a poluição atmosférica em Paris, divulgou em março um estudo que apontou para a diminuição de 25% da poluição nas áreas que foram fechadas para a circulação de carros nas margens do rio Sena desde o ano passado. 

O problema é que, depois da criação desses espaços para pedestres, o ar teve uma piora de 5 a 10% em outras regiões onde a circulação de carros aumentou. "Claro, a criação dessas zonas sem veículos tem um impacto positivo, como mostrou nosso estudo. Mas, nessas áreas onde o ar piorou, há ainda trabalho a fazer", diz Amélie Fritz, porta-voz da Airparif.

Ela lembra, no entanto, que apenas a criação de espaços verdes não resolve definitivamente o problema da poluição de Paris. Para a Airparif, é essencial continuar implementando as tradicionais medidas para a melhora da qualidade do ar, além de dar seguimento a campanhas de conscientização e educação da população.

Terremoto seguido de tsunami pode voltar a acontecer na Europa, diz pesquisador

Europa teme entrada de “salmonstro”, o salmão transgênico canadense

Supermercados da França geram polêmica com abuso no preço de orgânicos

Dependente de energia nuclear, França cogita desligar um terço de seus reatores

Primeiro partido de defesa dos animais estreia em eleições legislativas na França

Triagem incorreta do lixo é motivo de briga em boa parte dos casais franceses

Crise política no Brasil contribui para desmatamento desenfreado na Amazônia