rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Queniano Eliud Kipchoge termina Maratona de Berlim em 2h03 e vence a prova

França Incêndio Eleições Extrema-Direita Campanha Eleição presidencial francesa

Publicado em • Modificado em

QG da campanha de partido de extrema-direita francês é alvo de tentativa de incêndio

media
Marine Le Pen diz que grupos de extrema-esquerda vem "agindo impunemente", sem qualquer reação do governo (Foto: Reuters

O QG do partido Frente Nacional, da candidata à eleição presidencial, Marine Le Pen, foi alvo de uma tentativa criminosa de um incêndio sem gravidade na noite desta quarta-feira (12). Le Pen acusou grupos de extrema-esquerda pelo ato e o governo francês, que os deixa “agir impunemente”.


O incêndio atingiu o térreo do imóvel do partido Frente Nacional, ocupado por uma companhia de seguros. Os bombeiros chegaram ao prédio situado no oitavo distrito, um dos mais caros da capital, por volta das 2h40 da manhã. O fogo, segundo eles, atingiu apenas uma porta e um tapete na entrada. A polícia confirmou que o incêndio era criminoso. Uma inscrição “FN contra KLX” também foi pichada na fachada.

Um grupo que diz “combater a xenofobia” ligou para agência de notícias francesa AFP hoje para reivindicar a ação na qual foram usados coquetéis Molotov. O representante do grupo também declarou que um ato similar foi organizado na sede do jornal de extrema-direita “Présent”, e afirmou que outros similares estão sendo planejados “até o dia das eleições”. O primeiro turno está marcado para o dia 23 de abril.

Nesta quinta-feira (13) de manhã, a candidata da extrema-direita disse que a ação foi "provavelmente organizada por um grupo de extrema-esquerda", que, segundo ela, “age impunemente há meses, destruindo lojas, queimando carros durante as manifestações e atacando a polícia”. Le Pen disse "não estar surpresa que o governo do presidente socialista François Hollande “não faça nada”.

Governo socialista reage

O ministro do Interior francês, Matthias Fekl, denunciou os atos que ele classificou de “inaceitáveis”. Segundo ele, o debate democrático acontecerá nas urnas, onde cada um fará sua escolha. "Estamos em contato com a equipe da candidata da Frente Nacional desde ontem à noite, e veremos, se for o caso, se é preciso reforçar os dispositivos de segurança”, declarou.