rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Queniano Eliud Kipchoge termina Maratona de Berlim em 2h03 e vence a prova

França Marine Le Pen Extrema-Direita Eleição presidencial francesa imunidade parlamentar

Publicado em • Modificado em

Justiça francesa solicita retirada de imunidade parlamentar de Marine Le Pen

media
Marine Le Pen, eurodeputada e candidata do partido de extrema-direita Frente Nacional, à presidência na França, durante sessão do Parlamento em Estrasburgo. REUTERS/Christian Hartmann/File Photo

A Justiça francesa solicitou nesta sexta-feira (14) ao Parlamento europeu a retirada da imunidade da eurodeputada Marine Le Pen, candidata à presidência francesa pelo partido de extrema-direita Frente Nacional.


Marine Le Pen é investigada por supostos empregos fantasmas de assistentes parlamentares de seu partido. No dia 10 de março, a candidata se recusou a comparecer a uma audiência convocada pelos juízes na qual ela poderia ser indiciada. Na ocasião a eurodeputada se recusou, alegando imunidade parlamentar.

Segundo uma fonte da Justiça, o pedido de retirada da imunidade parlamentar da candidata do partido Frente Nacional (FN) é uma resposta dos juízes à sua recusa de comparecer à convocação do Ministério Público. Segundo lideranças do FN, trata-se “apenas de uma instrumentalização da justiça com fins políticos”.

Sistema de fraudes

O partido de extrema-direita nega também ter organizado um sistema de fraudes dentro de seu funcionamento interno. Segundo especialistas, existem poucas chances que a solicitação dos juízes, que deve ainda ser examinada pelo Parlamento europeu, se resolva antes do primeiro turno da eleição presidencial francesa.

Em entrevista a FranceInfo nesta sexta-feira (14), Marine Le Pen afirmou não estar “surpresa” e disse que o pedido de retirada de sua imunidade parlamentar era um “procedimento clássico esperado”.

Marine Le Pen, que segundo sondagens lidera a corrida presidencial, ao lado do centrista Emmanuel Macron, com cerca de 22% de intenções de voto cada, declarou ainda que não vai atender a nenhuma convocação de juízes antes das eleições legislativas na França, em junho de 2017.