rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Paris Cultura Palais de Tokyo

Publicado em • Modificado em

Pintinhos nascem depois de serem chocados por artista em museu de Paris

media
O artista francês Abraham Poincheval chocando ovos no Palais de Tokyo, em Paris. REUTERS/Gonzalo Fuentes/File Photo

O artista francês Abraham Poincheval é célebre por suas performances excêntricas. Mas nenhuma, até hoje, superou a recente incubação de ovos de galinha, realizada desde o final de março no Palais de Tokyo, em Paris. Na quarta-feira (19), o improvável aconteceu: um primeiro pintinho nasceu do experimento. Os outros saíram da casca nas horas seguintes.


Poincheval está realizando a performance "Ovo" desde o dia 29 de março. Em um dos mais importantes espaços de arte moderna da capital francesa, ele chocou uma dezena de ovos de galinha. Na tarde de quarta-feira, um primeiro pintinho começou a quebrar a casca de um dos ovos e nasceu. Os outros vieram logo depois. "Todos os pintinhos de Abraham Poincheval nasceram", diz um post do Palais de Tokyo no Twitter, em que o artista posa ao lado de seus "filhotes".

Tudo aconteceu diante dos olhos dos visitantes, que puderam presenciar ao vivo a performance. O artista francês ficou dentro de uma caixa de resina chocando os ovos nas últimas três semanas. Dentro do pequeno espaço, ele tinha água, comida e uma cadeira com uma cavidade para os ovos. O homem passou todo o tempo sentado sobre os ovos e só pode deixar o local durante 30 minutos, por dia, para preservar a temperatura de 37°C.

Performance mais difícil

Segundo a direção do Palais de Tokyo, a performance foi a mais difícil até hoje realizada pelo artista, que já passou oito dias trancado dentro de uma rocha de uma tonelada e duas semanas dentro de um urso empalhado. Antes de dar início à experiência da chocadeira, ele já havia manifestado sua preocupação: "Antes eu me colocava no interior das coisas. Mas, agora, essa será uma verdadeira transformação: estou do lado de fora, sou aquele que entorna".

O experimento, o primeiro do artista realizado com seres vivos, foi alvo de um protesto da ONG Peta, que milita pelos direitos dos animais. "Ele não deve se felicitar pelo nascimento dos pintinhos, eles nasceram sozinhos em um museu e são considerados como objetos de uma performance 'artística'. Nunca conhecerão a mãe", escreveu a organização em um comunicado.

Os pintinhos vão passar agora 72 horas com Poincheval dentro do "galinheiro" no Palais de Tokyo. Depois, os animais serão transportados para a fazenda da família do artista, no interior da França.