rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Saúde
rss itunes

Meditação online vira moda na França

Por Taíssa Stivanin

A prática virou mania na França, que já conta com mais de dez aplicativos criados por start-ups locais.

Inspire, respire. Em um mundo cada vez rápido e conectado, a solução para uma vida melhor e mais equilibrada está justamente em desacelerar o cotidiano. Foi de olho nessa tendência que muitos adeptos da meditação criaram aplicativos voltados para a prática, transformando o inimigo 1 número do sossego, o celular, em um aliado. Popular nos Estados Unidos, a ideia chegou à França há cerca de dois anos. Os profissionais da área garantem que alguns minutos por dia bastam para usufruir dos benefícios desses momentos de serenidade.

“É um esforço que vai durar toda a vida, necessário, mas alegre, se a gente pensar em tudo que ele nos traz, fora o trabalho para chegar até esse resultado”, descreveu Christophe André, um dos meditadores mais conhecidos da França, durante uma conferência sobre o tema em 2016, divulgada nas redes sociais.

O princípio da meditação com um aplicativo é simples, como explica Benjamin Blasco, criador do site francês Petit Bambou, lançado em 2015, que já conta com mais 800 mil clientes espalhados pelo país. Sua empresa está situada em Lille, no norte do país. “Basta se sentar em uma cadeira com uma almofada, e elevar um pouco a cabeça, como se ela estivesse sendo sustentada por um fio. Depois colocar as mãos sobre os joelhos, um fone de ouvido e conectar o aplicativo, dando início à primeira meditação do dia.”

Aprender a não fazer nada

A sessão começa com um barulho de chuva que ajuda o internauta a entrar no clima e criar sua bolha de serenidade, diz Benjamin. O ideal, é realizar a meditação em um ambiente calmo, mas nada impede de tentar o feito dentro do metrô, por exemplo, e até em uma pausa no escritório.

As sessões propostas pelo PetitBambou têm entre 3 a 15 minutos. “A ideia é fazer um intervalo para cuidar de si mesmo. Essa é base da meditação. Parar e não fazer nada durante 10 ou 15 minutos. É um pouco paradoxal em uma sociedade que nos pede cada vez mais e mais. Mas a ideia é justamente não fazer nada.”

Antes de criar sua start-up, o próprio fundador do Petit Bambou e seu sócio descobriram na meditação “um conforto para sua rotina acelerada”, em suas próprias palavras. “Minha profissão tem um impacto na vida das pessoas e isso é muito gratificante. Recebemos centenas de e-mails de pessoas agradecendo, nos parabenizando, encorajando. E tenho certeza que é porque fazemos o bem em torno de nós.”

O PetitBambou propõe sessões de meditação para crianças, para fumantes que querem abandonar o vício ou ainda estudantes que estejam se preparando para uma prova. Outros aplicativos, como o Maman Zen por exemplo têm como público-alvo as mães e filhos pequenos que buscam relaxar um pouco em sessões conjuntas. Julie Le Maire, a criadora do aplicativo, se transformou uma verdadeira “guru” na França das mães à beira de um ataque de nervos.

Benefício para a saúde

Meditar também traz benefícios para a saúde, como mostram diferentes pesquisas. A meditação, como mostra muitos estudos, provoca mudanças em estruturas cerebrais como o córtex e o hipocampo, áreas fundamentais para a memória. A prática também ajuda a regular a liberação de substâncias a de gestão do estresse, como o cortisol, que podem ser tóxicas para o organismo.
 

Em livro, francês narra a dura decisão de abortar filho com Síndrome de Down

Insônia, falta de ar e angústia: conheça os sintomas da intoxicação causada pelo café

Pesquisadores franceses criam nanomedicamento revolucionário contra a dor

Limitar uso do Facebook faz bem para a saúde, aponta pesquisa americana

Conheça a terapia das fáscias, membranas que atuam no equilíbrio do corpo

Campanha eleitoral gerou novos casos e recaídas de depressão, diz psiquiatra

Pesquisadores descobrem mecanismo inédito que evita degeneração dos neurônios

Saúde é a área mais afetada pelas fake news, diz especialista francesa

Experiências traumáticas em hospitais levam francesas a optar pelo parto humanizado em casa

Relatório americano inédito prova que ondas de celulares causam câncer em ratos

Europa vive epidemia de febre do Nilo Ocidental; vírus já chegou no Brasil

Vacina contra o HPV, que causa câncer do colo útero, é aprovada para mulheres até 45 anos