rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Meio Ambiente
rss itunes

Mudanças climáticas resultam no aumento de ratos e insetos na França

Por Daniella Franco

Nas casas, jardins e até mesmo em prédios públicos, metrôs e nas ruas, a França registra um grave aumento da proliferação de insetos e ratos. Mais da metade dos franceses declara ter enfrentado ou estar enfrentado o problema. Não é à toa que, nos últimos dois anos, a quantidade de dedetizações e desratizações profissionais deu um salto de 54% no país. A principal explicação para o fenômeno, segundo os especialistas, são as mudanças climáticas.

"Com o aquecimento global e o aumento das temperaturas, as espécies deixam de hibernar durante os meses mais frios do ano: isso é verificado especialmente no caso dos roedores. Já os insetos, depois de um inverno pouco rigoroso, recomeçam a se reproduzir muito antes do que o normal", diz o porta-voz do CS3D, o sindicato das empresas que combatem parasitas e animais nocivos na França.

O especialista em economia ambiental Marcelo de Miranda Ribeiro Quintiere explicou à RFI que o aumento da proliferação de insetos é uma consequência imediata do aquecimento global. O fenômeno, segundo ele, não se restringe ao incômodo da convivência com essas espécies nas casas ou espaços públicos. "Com mais insetos, aumenta também a quantidade de vetores de doenças, como e aedes aegypt, que é um vetor de doenças como dengue, zika, chikungunya", diz.

Viagens e inseticidas agravam o problema

Bras também salienta que há outras razões para o aumento da proliferação de insetos e ratos, além das mudanças climáticas, como o aumento das viagens intercontinentais. "Os europeus vão a países que não frequentavam antes e outras populações vêm mais à Europa. Isso significa que espécies são mais transportadas de um continente a outro. É o caso por exemplo do mosquito tigre, originário da Ásia e que chegou à Europa."

A criação de novos espaços verdes em áreas urbanas e o hábito dos franceses de realizar piqueniques no verão nesses locais, onde nem sempre os restos de comida são recolhidos, também contribuem para atrair roedores e agravar o problema.

Além disso, Bras lembra que, para proteger o meio ambiente alguns inseticidas, eficazes devido a sua alta toxicidade, foram proibidos de serem utilizados. "Com produtos menos fortes para combater roedores e insetos, a eficácia do combate também muda. Ou seja, é preciso encontrar novas formas de eliminar essas espécies."

Por isso, o especialista recomenda a consulta de profissionais do setor sobre medidas não apenas de combate, mas também de prevenção. Bras salienta que o setor também desenvolve novas formas de eliminação de insetos sem a utilização de inseticidas. É o caso de intervenções contra percevejos de cama na França, que aumentaram 165% nos últimos dois anos, e vêm se concentrando em uma técnica de eliminação térmica.

Quintiere também ressalta que a utilização de produtos químicos, embora pareça ser a solução mais fácil contra a proliferação de insetos, nem sempre é eficaz. "Quanto mais se aplica produtos químicos, mais aumenta a resistência dos insetos. Consequentemente, para combatê-los, precisamos cada vez mais de maiores quantidades de inseticidas."

O especialista reitera que esses produtos também podem gerar mais problemas para o meio ambiente e a saúde dos indivíduos. "Muitos inseticidas têm um ciclo mais longo no meio ambiente. Em uma lavoura, os produtos químicos tendem a se perpetuar durantes semanas ou meses no solo e na água. E isso pode trazer contaminações muito graves para os indivíduos, doenças no sistema neurológico, de visão, no fígado, nos rins, e em casos mais graves, até mesmo câncer."

Ambientalistas analisam programas dos presidenciáveis: de desastrosos a simplistas, poucos passam pelo crivo

Franceses são obrigados a cortar milhares de árvores para instalação de fibra ótica

Estudantes franceses propõem canudos de amido de milho como alternativa ao plástico

Cidadãos franceses contribuem como observadores para pesquisas sobre preservação das espécies

Geladeira solidária, mercado de produtos “feios”: novas armas contra o desperdício

Animais silvestres são vendidos facilmente pela internet a clientes europeus

Descoberta de “corais da Amazônia” na Guiana Francesa amplia pressão contra projeto da Total

Passeio de balão em Paris alia turismo e consciência sobre a poluição

Aldeias pré-coloniais indicam maior ocupação da Amazônia antes do descobrimento