rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Países com população mais jovem consomem mais drogas, diz psiquiatra franco-brasileiro

Por Taíssa Stivanin

Hoje o programa RFI Convida conversa com o psiquiatra franco-brasileiro Diogo Alves de Oliveira. Ele integra a equipe do hospital Cochin, em Paris, que atende e trata dependentes químicos. Nessa entrevista, Diogo nos explicou como funciona o atendimento público aos usuários de drogas na França e fez um paralelo com a situação no Brasil.

Segundo Diogo, "os grandes princípios do tratamento da dependência é semelhante nos dois países, com uma dimensão médico-social. A rede de atendimento no Brasil, segundo dados da USP, é menos densa no país". De acordo com ele, uma grande diferença entre os dois países é o número de jovens, que no Brasil é muito maior.

Como a droga é com frequência um vício que se desenvolve a partir de dificuldades vividas na infância associadas a elementos sociais, esse dado é crucial. “A juventude é muito mais representada no Brasil e a dinâmica da população tem um impacto muito importante na violência e no consumo de drogas. Outra questão importante é a transmissão entre as gerações dessa violência”. Isso significa que pais usuários de drogas agem em geral de forma violenta com seus filhos os predispondo à mesma dependência.

Crack na França

Diogo também explica que o crack, surgido na França nos anos 90, foi rapidamente controlado por conta de uma rápida conscientização de profissionais da saúde e políticos. Hoje a droga é presente principalmente no norte de Paris e atinge a população em situação de extrema precariedade. O consumo é estável, e o dispositivo de tratamento público inclui uma equipe multidisciplinar, além de programas que ensinam os usuários a se protegerem do contágio de doenças como a hepatite C e o HIV, por exemplo.

“Talvez na França o sistema de saúde funcione melhor e haja menos problema de desemprego, o que criou uma certa proteção social”. Em relação à Cracolândia, Diogo acredita que apenas medidas a longo prazo podem resolver o problema, que deve ser visto “ de forma global”. O psiquiatra também explica que na França a hospitalização não é preconizada, apenas em casos muito específicos.
 

Todo mundo, inclusive o Brasil, está buscando um Macron para chamar de seu

"Precisamos saber de onde vêm nossas roupas", diz designer Isabelle Mesquita

MenEngage: “É impossível discutir emancipação da mulher na África sem falar da poligamia masculina”

Embaixada do Brasil em Paris promove encontro de professores de português na França

Mistérios da Chapada Diamantina são tema de livro de Christiane de Murville

"Quem ganha mais, deveria pagar mais imposto no Brasil", diz especialista da USP

“Nossa luta não é só pelo Lula, é pela democracia”, diz Tarso Genro

Após ser acusado de pedofilia no Brasil, Wagner Schwartz apresenta “La Bête” em Paris

Ator brasileiro radicado na França cria espetáculo com poesia de Pasolini

Bárbara Paz quer lançar documentário sobre Babenco no Festival de Cannes

“Derrota de Lula no STF cria um vácuo político”, diz analista da SciencesPo

Filme sobre comunidade judaica no Brasil é destaque em festival de Paris

"Olhar francês sobre produção audiovisual brasileira mudou em 20 anos", diz diretora do Festival de Cinema de Paris

"Movimentos progressistas brasileiros subestimaram fenômeno evangélico", diz jornalista francesa