rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Coreógrafa cabo-verdiana cria versão contemporânea de "Bacantes"

Por Márcia Bechara

O RFI Convida conversou com a bailarina e coreógrafa cabo-verdiana Marlene Monteiro Freitas, uma das presenças mais esperadas da 37ª edição do festival internacional de dança Montpellier Danse, no sul da França. A artista realizou durante o festival a estreia mundial de "Bacantes - Prelúdio para uma Purgação", uma releitura contemporânea do texto clássico de Eurípides.

(Para ouvir a entrevista na íntegra, clique acima na foto da matéria)

"Comecei a dançar em Cabo Verde com um grupo amador de adolescentes. Dançávamos hip hop, coisas desse tipo, além de danças tradicionais, samba etc. Depois fui estudar dança na Escola Superior de Dança de Portugal e depois na PARTS, em Bruxelas. Depois fiz um curso de coreografia através da Fundação Calouste Gulbenkian, em Portugal. Durante esse período sempre trabalhei com outros coreógrafos enquanto bailarina, além de meus trabalhos pessoais", conta Marlene.

"O fato de eu estar em Cabo Verde não quer dizer que as referências fossem apenas referências da cultura cabo-verdiana. Vivi numa ilha em São Vicente que sempre teve um porto muito grande, sempre foi muito aberta para o mundo. As referências de um jovem em Cabo Verde são partilhadas com jovens de outros lugares", contextualiza a coreógrafa. "O que percebia é que não existiam aulas de dança no ensino. Não havia um lado pedagógico da dança. Isso nunca houve.

O espetáculo "Bacantes - prelúdio para uma purgação" estreou no dia 29 de junho no teatro Opéra Comédie, em Montpellier, no sul da França. Filipe Ferreira

"Bacantes" e as imagens

"Quando falo do paralelo com outras culturas, tento, através deste paralelo, obter outras informações. Estamos falando de um ritual que era feito na Grécia Antiga com seus aspectos culturais, mas também estamos falando de coisas que recebemos através de imagens. De fato, abordar "As Bacantes" de Eurípides é colocar em imagens o que está no texto. A própria cultura grega tinha essa questão de colocar em imagens nos vasos gregos, nos afrescos, os mitos, rituais e situações do cotidiano. "Nós, de alguma maneira, aproveitamos esse 'savoir-faire' para desenvolver nosso projeto", explica.

"Quando algo acontece, quando uma imagem acontece, a imagem não é só o que nós vemos, mas como nós vemos, é a projeção da pessoa sobre aquilo, então o encontro entre essas duas coisas é uma experiência individual. Pode ser uma experiência coletiva, o público é um coletivo, mas dentro do público tem gente que vai se relacionar com o que está vendo de forma muito diferente. E digamos que as coisas estão colocadas em cena de forma que esse movimento de projeção do próprio público aconteça de maneira mais incisiva", afirma Marlene.

Clique abaixo para ver trechos de "Guintche", trabalho apresentado pela coreógrafa em 2013 no FID - Festival Internacional de Dança de Belo Horizonte.

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR