rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Especialistas contestam reforma trabalhista concebida pelo "melhor amigo" de Macron

Por Adriana Moysés

A semana foi movimentada pelo anúncio das diretrizes de governo do presidente francês, Emmanuel Macron. A reforma trabalhista, a proposta mais explosiva nesse início de mandato, continua em debate nas revistas semanais e é alvo de críticas de especialistas.  

O melhor amigo do presidente desde a universidade, padrinho de casamento e economista Marc Ferracci, professor da Sorbonne, ganha um perfil na revista do jornal Les Echos. De tendência progressista, o corsa Ferracci, de 39 anos, elabora as mudanças no Código do Trabalho francês com mais dois economistas renomados, Philippe Aghion e Pierre Cahuc. O trio tem uma meta definida: diminuir a taxa de desemprego na França para 7% até o fim do mandato de Macron, em 2022, contra cerca de 10% atualmente.

A amizade com Macron é um algo mais. Por outro lado, ninguém põe em dúvida que o economista da Sorbonne possui as credenciais para o cargo. O que dá arrepios em alguns colegas, nos líderes sindicais e também gera desconfiança entre os trabalhadores é o fato de que Ferracci estaria tomando o caminho errado.

Para dar prova de boa fé, Ferracci constituiu equipes de pesquisadores para documentar os efeitos da reforma "antes" e "depois" de sua aplicação. A França entrou numa fase de "laboratório". Só que a experiência envolve vidas e famílias.

Flexibilidade arriscada para o trabalhador

O economista propõe medidas que devem dar ao mercado de trabalho francês uma flexibilidade semelhante à praticada nos Estados Unidos e no Reino Unido, sem ir tão longe, com garantias de proteção social aos trabalhadores no estilo de países como Alemanha e Dinamarca, explica a revista do Les Echos.

Enquanto as negociações já iniciadas com os sindicatos não produzem o pacote final de medidas, a Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT) marcou uma greve preventiva para 12 de setembro, momento em que a reforma deverá estar costurada.

Na revista L'OBS, o economista Philippe Askenazy e o jurista Antoine Lyon-Caen, dois grandes especialistas na área, criticam duramente a visão de Macron. Autor do livro "O Trabalho e a Lei", o advogado Lyon-Caen diz que o projeto do governo é focado na mobilidade dos trabalhadores, sem garantir as condições de estabilidade necessárias para as empresas ganharem em competitividade.

O economista Askenazy também denuncia uma visão "centrada no indivíduo e na propriedade do capital". "A equipe de Macron vê a justiça trabalhista e a atividade sindical, esferas intermediárias entre acionistas e trabalhadores, como obstáculos a serem removidos. A visão liberal e otimista de Macron, de que tudo pode ser resolvido por meio de negociação direta e consensual no ambiente de trabalho, não coincide com a realidade das empresas e as expectativas dos trabalhadores", enfatiza Askenazy.

O debate nas revistas semanais dá o tom da queda de braço que será a aprovação dessa reforma.

Revista francesa traz perfil de vice de Bolsonaro, um “general sinistro”

Com recompensa de US$ 25 mi, líder do grupo EI é o homem mais procurado do mundo

Rival de Merkel consegue se impor como homossexual em partido homofóbico

Qualquer que seja o presidente eleito, será difícil tirar Brasil da crise, diz revista francesa Le Point

Psiquiatras franceses defendem Plano Nacional para tratar distúrbios mentais

Revista revela casos de assédio sexual nos conservatórios musicais da França

Livro mostra como poder econômico compra eleição e enfraquece democracia

Francesa mostra circuito de 200 motéis como atração turística do Rio de Janeiro

Revista L’Obs questiona “o que é ser um homem na era pós #Metoo”

Exposição com fotos inéditas dos bastidores da Nouvelle Vague é destaque na imprensa francesa

“Cães dos poderosos”: animais de estimação de presidentes franceses são capa da revista do Le Monde

Projeto de extração de ouro na Guiana Francesa vira "mina da discórdia"

Filme sobre Edir Macedo ilustra poder dos evangélicos no Brasil, diz Le Monde

Juiz uzbeque que criou confusão no Brasil é recordista de arbitragem na Copa