rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Saúde
rss itunes

França: na terra da gastronomia, a população come mal

Por Taíssa Stivanin

Os franceses podem até ter a melhor culinária do mundo, mas apesar da gastronomia cantada em prosa e verso, a população come mal. No dia a dia, muito sal, poucos legumes e frutas e muitos alimentos industrializados, como mostra um amplo estudo da Anses (Agência Nacional de Segurança da Alimentação) divulgado há uma semana.

A pesquisa quantitativa, realizada entre 2014 e 2015 reuniu 5.800 pessoas entre 0 e 79 anos. Mais de 200 profissionais acompanharam 13.600 dias na vida dos participantes e os alimentos consumidos em suas refeições, durante seis anos. Esta é a terceira vez que a agência francesa realiza essa radiografia dos hábitos alimentares da população, que visa prevenir doenças como câncer e obesidade e melhorar a saúde dos franceses.

De acordo com o diretor adjunto da agência, Jean Luc Volatier, os franceses “não estão comendo pior do que antes”. “Globalmente, do ponto de vista nutricional, nossos indicadores são similares aos dos estudos precedentes. Temos um pouco mais de sal na alimentação. Os homens adultos consomem 9 gramas por dia, contra os 8 recomendados. E as mulheres comem 7 gramas por dia, sendo que a recomendação é de 6,5 gramas”, diz.

Poucas fibras, muito sal

A quantidade de fibras ingerida também é insuficiente, resultado do baixo consumo de frutas, legumes e cereais. “É preciso manter os esforços para reduzir quantidade do teor de sal nos alimentos, como nas sopas e cereais consumidos no café da manhã, por exemplo. Mas ainda não avançamos o suficiente. É preciso continuar os esforços”, explica.

O estudo mostra, por exemplo, que os adultos franceses consomem em média 2,9 quilos de alimentos todos os dias. Os homens preferem cereais, carnes, embutidos, batatas, queijos e bebidas alcoólicas. Já as mulheres comem mais iogurtes naturais, compotas de frutas, carne branca, sopas e bebidas quentes.

anses.fr

Diferenças sociais

As diferenças econômico-sociais também exercem uma forte influência na alimentação. Os franceses com nível superior consomem mais frutas e verduras e menos refrigerantes do que seus compatriotas que abandonaram os estudos no fundamental. Essa faixa da população também pratica mais esporte e é menos obesa.

De acordo com o representante da agência francesa, a questão vai além da informação. “Os franceses sabem como comer direito. A recomendação “cinco frutas e legumes por dia” é conhecida, eu diria até que é a mais conhecida. Mas às vezes não tem tempo para preparar comida, ou tem problemas financeiros. É complicado aumentar o consumo de frutas e legumes, não só na França mas também em outros países.”

Sedentarismo

Um dado considerado alarmante é o aumento do sedentarismo. Na França, segundo o estudo, 80% dos adultos são considerados sedentários. Entre os adolescentes entre 15 e 17 anos, 71% não praticam exercícios. Um dos motivos é que franceses de todas as idades estão passando cada vez mais tempo em frente às telas. Entre as crianças, a média é de 3h05 por dia, e entre os adultos, 4h50.

Jean Luc Volatier explica que não há uma recomendação oficial sobre a questão. “Não há uma recomendação para limitar o tempo passado sentado, deitado ou imóvel”, diz. Ainda segundo ele, o Brasil deve preparar um estudo similar, utilizando a mesma metodologia, e em breve será possível comparar os dois países.

Com cerca de 18% de adultos obesos, França é campeã de cirurgia bariátrica na Europa

Brasileira ganha prêmio internacional com pele em 3D que substitui testes em animais

Cardiologista francês identifica proteína que pode provocar morte súbita

Células da glia vão revolucionar modelo do cérebro humano, diz neurologista francês

Brasil: apesar de lobby da indústria, nutricionistas lutam para promover alimentação adequada

Pesquisadores descobrem nova combinação de anticorpos que pode prevenir contaminação do HIV

Movimento contra uso da pílula cresce na França, revela jornalista em livro

Nova fórmula de remédio para tireoide causa problemas para milhares de pessoas na França