rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Lavagem da Madalena traz Margareth Menezes à Paris, conta organizador

Por Patricia Moribe

O evento já entrou no roteiro de festas populares em Paris. A 16ª edição do Festival Cultural Brasileiro de Paris começa nesta terça-feira (5), que tem como encerramento a Lavagem da Madalena, inspirada na Lavagem do Bonfim. Quem fala a respeito é Roberto Chaves, baiano de Santo Amaro, há 25 anos na França.

“É uma semana de festa, um festival mágico”, conta Robertinho, como o organizador do evento é mais conhecido. “Tudo começou em 1998, na Basílica do Sacré Coeur, mas o projeto não vingou”, relata. “Mas como diz Carlinhos Brown, tudo é o tempo, o destino é Deus. E em 2002 fomos para a igreja da Madalena, onde abriram as portas para nós. É a igreja de uma santa e não da virgem, a Madalena prostituta, que sofreu. A lavagem vem do candomblé, vem do povo negro, que carrega o mesmo sofrimento”, diz o baiano.

Entre as atrações deste ano estão shows de Margareth Menezes e de Elba Ramalho. A brasileira Cristina Córdula, apresentadora de TV de sucesso na França, é a madrinha do evento.

Missa com atabaques

O festival começa com uma missa ecumênica na terça-feira (5), na igreja de la Madeleine, no centro de Paris, com presença do babalorixá pai Pote, de Santo Amaro, muita música e percussão. No dia seguinte, na sede da UNESCO, uma mesa redonda vai ter como tema a capoeira, que consta da lista da Unesco de tesouros imateriais da humanidade, com reconhecimento de mestres que ajudaram a divulgar a prática na Europa.

Os festejos terminam com a lavagem simbólica das escadarias da Madalena, precedida por um grande desfile com baianas, batucadas e muita capoeira.

Veja aqui a entrevista com Robertinho Chaves:

"Estamos posicionando o design de mobiliário brasileiro no circuito internacional"

Temer deve ficar até 2018 porque “ninguém quer esse abacaxi”, diz economista

Escritora baiana radicada na Alemanha: “Sou discriminada em meu próprio país”

Entre Brasil e França, "Ocupação Agora" discute crise brasileira na dança contemporânea

Reforma trabalhista de Macron é correta, mas impacto é incerto, diz economista Cristina Terra

“Privatizações aumentam confiança na economia brasileira”, diz especialista

Lei Di Dai e a maconha: “Mesmo que as pessoas fumem, elas ainda não assumem”

"Mais desmatamento", diz diretor do WWF Brasil, sobre decreto que extingue reserva

"Clima na Coreia do Norte é de relativa normalidade", diz diplomata brasileiro Cleiton Schenkel

Apesar de guerra, Brasil participa de Feira de Damasco, relata diplomata Bruno Razente