rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Um pulo em Paris
rss itunes

Corte europeia condena empresa que espionava e-mails de funcionário

Por Silvano Mendes

A Corte Europeia dos Direitos Humanos (CEDH) condenou esta semana uma empresa que demitiu um de seus funcionários que usava seu e-mail profissional para enviar mensagens pessoais. A instância considerou que os empregadores praticaram espionagem e invadiram a privacidade do empregado.

A história começou em 2007, quando o engenheiro romeno Bogdan Mihai Barbulescu foi surpreendido enviando mensagens de cunho pessoal para seu irmão e sua noiva a partir do e-mail da profissional. A empresa alegou que esse tipo de comunicação era proibida segundo o regulamento interno e demitiu o funcionário.

Indignado com a decisão dos patrões, o engenheiro entrou na justiça, defendendo que a empresa violou seu direito à privacidade, protegido pelo artigo 8 da Convenção Europeia dos Direitos Humanos. A justiça romena considerou, em primeira instância, que os patrões tinham razão, e que a sanção fazia parte de uma medida de disciplina. Descontente com o resultado, Barbulescu apelou e depois de dez anos de processo o CEDH considerou que “as autoridades romenas não protegeram o direito” do engenheiro ao respeito de sua privacidade. A demissão foi contestada por 11 votos contra 6.

A decisão abre um precedente e pode ser usada como exemplo não apenas na União Europeia, mas também nos 47 estados membros do Conselho da Europa.

Legislação francesa protege empregados

Na França, a legislação autoriza as empresas a vigiar seus funcionários. Mas os empregados devem ser avisados se há câmeras no local de trabalho ou se os e-mails profissionais estão sendo monitorados. Além disso, as mensagens pessoais no âmbito de trabalho são protegidas. E se forem enviadas a partir do endereço profissional, em caso de litígio a empresa só pode abrir um e-mail na presença do funcionário.

A proteção da vida privada é cada vez mais regulamentada na França. Prova disso, durante o processo do romeno, o governo francês foi um dos defensores do engenheiro.

Direito de desconexão

Além de defender a privacidade dos assalariados no ambiente de trabalho, está em vigor na França desde janeiro deste ano a chamada Lei da Desconexão. A legislação, que visa adaptar o mundo do trabalho à era digital, protege os empregados que preferem não responder as mensagens eletrônicas profissionais fora do horário do expediente.

O texto também sugere que empregados e empregadores negociem como será feito o uso fora do expediente de e-mails e aplicativos de mensagens (como WhatsApp e Telegram). Ou seja, para algumas atividades, a comunicação fora do horário de trabalho pode ser tolerada, desde que as condições tenham sido estabelecidas entre as partes, em função da atividade da empresa, da necessidade fundamental de descanso e das possíveis compensações financeiras.

França pune pedófilos que armazenam imagens de pornografia infantil com prisão e multa

Migrantes morrem afogados em canal de Paris e relançam debate sobre crise dos refugiados

Carências no sistema de moradia popular também provocam mortes na França

Paris inaugura primeiro centro de arte digital com exposição de pintores austríacos

Greves na França levantam debate sobre privatização do sistema ferroviário europeu

Imprensa europeia dá crédito a Lula pelas conquistas sociais que promoveu no Brasil

Macron vai na contramão da Europa com escola obrigatória a partir dos 3 anos de idade

Franceses debatem mudanças na lei de bioética e maioria aprova barriga de aluguel

Paris terá marcha e vigília no fim de semana em homenagem a Marielle Franco

Governo francês multiplica ações para favorecer a igualdade de gênero

França vai estipular em 15 anos idade mínima legal para relação sexual

França também celebra carnaval, com polêmica racista e medo de terrorismo

Rio Sena transborda e museus de Paris fecham salas para proteger obras de arte

Catherine Millet diz que adversárias feministas exageram na indignação