rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Economia Emmanuel Macron

Publicado em • Modificado em

Com novo plano orçamentário, os mais ricos podem pagar menos impostos na França

media
Os ministros da Economia, Bruno Le Maire (d) e das Contas Públicas, Gérald Darmanin, após a apresentação do projeto de orçamento. REUTERS/Stephane Mahe

O governo francês anunciou nesta quarta-feira (27) sua primeira proposta orçamentária. O plano é composto de vários cortes nos gastos públicos, inclusive na Previdência Social. O programa também prevê a redução de diversos impostos.


O ministro francês das Contas Públicas, Gérald Darmanin, confirmou a meta de realizar € 15 bilhões de economia nos gastos públicos. Desse total, € 7 bilhões viriam da redução do orçamento do Estado, € 3 bilhões das entidades regionais e € 5 bilhões da Previdência Social.

As áreas mais atingidas serão o sistema de trabalho – com uma drástica redução dos contratos subsidiados –, as ajudas às famílias mais pobres e os transportes, com o congelamento de grandes projetos de infraestrutura. O governo também prevê cortar 1.600 servidores públicos.

O objetivo é alcançar um déficit de 2,6% do PIB no final de 2018. Em troca, por meio de cálculo complexo, o governo prevê reduzir os impostos de parte da população num valor de € 10 bilhões durante o ano de 2018.

“Aumentar o poder aquisitivo”

Uma das principais críticas da oposição ao plano orçamentário é sobre a mudança do sistema do Imposto Sobre a Fortuna (ISF), uma taxa paga pelos mais ricos. Com o novo sistema, o cálculo desse encargo levará em conta apenas o patrimônio imobiliário dos contribuintes, isentando assim boa parte dos que atualmente pagam o ISF.

O ministro francês da Economia, Bruno Le Maire, garantiu que o orçamento de 2018 vai beneficiar “todos os franceses, sem exceção, e não apenas os mais ricos”. Segundo ele, um dos principais objetivos do plano é contribuir para o aumento do poder aquisitivo. Para isso, uma medida também prevê a exoneração de um imposto equivalente ao IPTU das famílias mais pobres. 

Salários mais altos terão menos impostos

Outra medida prevista no novo orçamento é a redução dos impostos sobre os salários mais elevados dos empregados do mundo das finanças. O objetivo é tornar a França mais competitiva para os grandes bancos internacionais, que atualmente preferem instalar suas filiais em países como Irlanda, Alemanha e Holanda.

Com todas essas mudanças, o governo espera alcançar um crescimento econômico de 1,7% em 2018. A lei do orçamento será debatida até o fim do ano no Parlamento francês.