rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Estilista Azzedine Alaïa morre aos 77 anos em Paris
Um pulo em Paris
rss itunes

Macron dá € 4,5 bi aos mais ricos sem garantias do retorno esperado

Por Adriana Moysés

O governo do presidente Emmanuel Macron anunciou esta semana seu projeto de orçamento para 2018. Macron propôs uma série de medidas, uma delas extremamente polêmica: a reforma do Imposto de Solidariedade sobre a Fortuna (ISF), que vai favorecer os mais ricos.

Macron transformou o antigo ISF em um imposto exclusivo de fortuna imobiliária (IFI). Com o novo sistema, o cálculo desse encargo levará em conta apenas as propriedades dos contribuintes. O novo IFI vai incidir sobre os franceses com patrimônio imobiliário superior a R$ 4.800.000, cerca de € 1,3 milhão. Alguém com um grande apartamento em Paris, de cerca de 120 metros quadrados, mais um imóvel na praia ou no campo, por exemplo, vai continuar pagando esse imposto.

O aspecto muito criticado da proposta é que o líder francês retirou da cesta do ISF os ativos financeiros, como ações, dividendos, títulos da dívida pública, ouro, iates e carros de luxo. Antes, o capital aplicado no sistema financeiro também era considerado no cálculo do tributo a ser pago pelos ricos. A partir de 2018, esses ganhos serão sujeitos a uma "flat tax" de 30%.

Segundo o Observatório Francês de Conjuntura Econômica, a medida de Macron vai favorecer 280.000 famílias, que representam 1% da população. Os beneficiários serão os franceses abastados, com rendimento mensal superior a € 30.000, cerca de R$ 110.000 ou que possuem um patrimônio de R$ 7 milhões em aplicações e ativos financeiros.  

Repatriamento incerto de recursos

Na visão de Macron, o objetivo dessa reforma fiscal é estimular o investimento empresarial no país. Os milionários franceses sempre esconderam dinheiro em paraísos fiscais para fugir do ISF. O centrista decidiu fazer uma aposta, como um jogador de pôquer, que esse dinheiro talvez vá retornar do exterior e ser aplicado na economia francesa.

São inúmeros os casos de empresários e artistas que deixaram a França para estabelecer domicílio fiscal em países com tributação vantajosa. O caso do ator Gérard Depardieu é folclórico: ele devolveu seu passaporte francês ao ex-ministro das Finanças do governo Hollande, revoltado com a cobrança do ISF, e aceitou a nacionalidade russa, oferecida pelo presidente Vladimir Putin, para proteger seu patrimônio da avidez do fisco francês.

Macron também está de olho nos investidores que vão deixar o Reino Unido, com a saída do país da União Europeia, e procuram atualmente outras capitais europeias. Paris quer atrair uma parte dessa elite financeira.

O discurso do governo é que os € 4,5 bilhões de euros que o Estado deixará de arrecadar de ISF, em 2018, irá se transformar em combustível para a economia. Qualquer pequeno ponto de crescimento, diz o ministro das Finanças de Macron, Bruno Le Maire, servirá à redistribuição de renda.

O problema apontado por opositores e economistas é que o governo não estabeleceu nenhuma contrapartida aos milionários e espera uma atitude patriótica dos empresários. Mas não há garantia alguma de retorno. No mesmo orçamento, o governo propõe um corte de € 4 bilhões no financiamento do sistema público de saúde, que terá impacto nos hospitais e no reembolso de medicamentos à população.

A revista semanal L'Obs, que dedica sua manchete a essa aposta arriscada do presidente, declara: "Não há a menor dúvida de que Macron é o presidente dos ricos, ou melhor, dos muito ricos."

Dois anos após atentados de Paris, oito pessoas continuam hospitalizadas

Campanha é criticada por incitar prostituição entre universitários na França

Mais de 10 mil pessoas foram multadas após jogar bituca de cigarro nas ruas de Paris

Famílias francesas têm menos filhos e mais mulheres sozinhas no comando

Políticos franceses não podem mais contratar familiares, mas primeira-dama ganha cargo oficial

Bailes populares e striptease de bombeiros são tradição na festa nacional francesa

Prefeitura de Paris vai lançar marca própria de cerveja produzida em parque da cidade

França inaugura linha de trem ultrarrápida entre Paris e região vinícola de Bordeaux