rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Consultora de moda e estilo mostra bastidores de marcas de luxo de Paris para brasileiras

Por Elcio Ramalho

Radicada há mais de três anos na França, a consultora de imagem e estilo Andrea Furco se tornou uma referência para muitas brasileiras que visitam a capital francesa para conferir as tendências da moda, conhecer a história de grandes grifes de luxo e investir em uma mudança de estilo.

Desde fevereiro deste ano ela fundou o projeto Passaporte Fashionista, um programa focado em moda, estilo e tendências que oferece cursos teóricos sobre esses temas e visitas a lojas e empresas de luxo de grandes marcas francesas e internacionais. “Mostramos como elas trabalham, as inspirações das coleções, os produtos 'eternos' de cada maison, no próprio local”, explica Andrea.

As marcas abrangem um universo amplo, de roupas a joalherias e perfumes. O programa inclui, segundo Andrea, aulas práticas de maquilagem e participação em diversos ateliês, como de fabricação de água de colônia.

“O objetivo é trazer experiências inesquecíveis dentro de Paris, para pessoas que nunca vieram ou vieram várias vezes atraídas pela moda e por Paris, mas que precisam de histórias diferentes para contar ”, resume.

A consultora identificou entre muitas brasileiras apaixonadas pelo mundo fashion e pela capital francesa, o “berço da moda”, a necessidade de aprofundar os conhecimentos na área e ter experiências com as marcas de luxo. 

Os grupos são de até 12 pessoas, submetidas a um ritmo intenso com aulas teóricas pela manhã e visitas aos bastidores de empresas no período da tarde. O público é variado, composto não apenas por profissionais do setor.

“As mulheres não necessariamente trabalham com moda. Elas podem apenas gostar do assunto, de Paris, querem entender um pouco mais. Há também estudantes, profissionais de design, arquitetura, arte, visual e merchandising e muitas digital influencers”, afirma.

Segundo Andrea, até mesmo francesas já se mostraram interessadas na formação para poder ter acesso aos bastidores de empresas famosas.  

De olho nos homens

Para conseguir abrir as portas do universo da moda e do luxo de maneira diferenciada e quase exclusiva, Andrea contou com uma rede de contatos criada desde o período que vinha para Paris identificar tendências como consultora de uma emissora de televisão em São Paulo e para clientes particulares.

Apesar da divulgação pelas redes sociais, o “boca-a-boca” se tornou a mais poderosa ferramenta de marketing para garantir o sucesso do projeto.

A perspectiva de oferecer dois grupos este ano foi amplamente superada. Em menos de um ano, 75 brasileiras já passaram pelo Passaporte Fashionista. A experiência faz Andrea Furco e sua equipe explorar novas ideias, como ampliar o projeto para outros públicos interessados em moda e estilo.

“Em 2018 vou criar um curso exclusivo só para o universo masculino. Será aberto também para o público feminino, mas com foco nas marcas masculinas”, promete.

"Precisamos saber de onde vêm nossas roupas", diz designer Isabelle Mesquita

MenEngage: “É impossível discutir emancipação da mulher na África sem falar da poligamia masculina”

Embaixada do Brasil em Paris promove encontro de professores de português na França

Mistérios da Chapada Diamantina são tema de livro de Christiane de Murville

"Quem ganha mais, deveria pagar mais imposto no Brasil", diz especialista da USP

“Nossa luta não é só pelo Lula, é pela democracia”, diz Tarso Genro

Após ser acusado de pedofilia no Brasil, Wagner Schwartz apresenta “La Bête” em Paris

Ator brasileiro radicado na França cria espetáculo com poesia de Pasolini

Bárbara Paz quer lançar documentário sobre Babenco no Festival de Cannes

“Derrota de Lula no STF cria um vácuo político”, diz analista da SciencesPo

Filme sobre comunidade judaica no Brasil é destaque em festival de Paris

"Olhar francês sobre produção audiovisual brasileira mudou em 20 anos", diz diretora do Festival de Cinema de Paris

"Movimentos progressistas brasileiros subestimaram fenômeno evangélico", diz jornalista francesa