rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Arte precisa passar uma mensagem”, diz goiano de 15 anos que expõe obra em Paris

Por Elcio Ramalho

O escritor, artista plástico e estudante Hector Ângelo, expõe entre os dias 20 e 22 de outubro uma de suas obras no Salão Art Shopping no Carrossel do Louvre, em Paris.

Aos 15 anos, ele desembarca na capital francesa como uma das apostas do curador austríaco Heinz Playner, dono de uma galeria em Viena.  Ele conheceu o trabalho de Hector pelas redes sociais e convidou o artista goiano a enviar uma de suas obras para o tradicional evento comercial que é realizado paralelamente à FIAC, Feira Internacional de Arte Contemporânea.

“Nunca imaginei que viesse para cá, nem quando fosse velhinho. Para qualquer artista é um sonho realizado”, comenta Hector sobre a oportunidade de apresentar suas obras na capital francesa.

Até hoje, ao lembrar do convite de Heinz Playner, se recorda de como abordou o surpreendente convite: “No começo pensei que era uma pegadinha”.

Luta contra preconceitos

A escolha da obra para o Salão foi de um dos desenhos da coletânea “Eu sou a dor”, na qual Hector retratou cinco tipos de preconceito: a gordofobia, transfobia, homofobia, racismo e violência contra mulher.  

Obra de Hector Ângelo que será exibida no shopping Carrousel du Louvre, em Paris. Foto: Divulgação

“Escolhi homofobia porque o Brasil é o que mais mata pessoas LGBT no mundo e Goiânia é a cidade que mais mata travestis e transsexuais no Brasil”, justificou. “Visualmente é a obra que eu acho mais interessante e a que eu mais gosto e também pelos altos índices de preconceito contra essa população”, acrescentou.

A obra foi estimada em 2.500 euros pelo curador e poderá ser adquirida por qualquer participante do Salão.

Artes plásticas e literatura

Identificado desde muito cedo pela família e pela escola com uma alta habilidade para as artes, Hector começou a se expressar primeiro pelo desenho e logo aos sete anos escreveu seu primeiro livro “A girafa que foi ao espaço”.  De temas infantis, o jovem evoluiu sua literatura para temas sociais e da atualidade que o instiga.  

Seu livro “A transformação de Joca” rendeu um prêmio da Associação Sociocultura Atrevida, de Portugal, vinculada à Universidade de Lisboa. Seu último livro, “Depois do final feliz” (Editora Quarenta e Dois), ele questiona o padrão de beleza feminino imposto pelos contos de fadas e o empoderamento das mulheres. Lançado no Canadá, em setembro, o livro recebeu o Prêmio Concurso Literatura 2017 na categoria melhor projeto gráfico.   

“Acho que arte não é só para ser bonita. Ela precisa passar uma mensagem. Como minha arte é visual, é fácil para as pessoas entenderem. Mas, atualmente muita gente pensa que a arte é muito distante. Tratar preconceitos faz com que as pessoas se identifiquem com os meus desenhos”, afirmou.

O jovem artista goiano Hector Ângelo. Foto: Divulgação

Apesar da juventude, Hector mostra maturidade e otimismo ao olhar para a geração de brasileiros que convive atualmente com um país em grave crise.

“O Brasil está em um momento difícil, mas eu vejo os jovens como uma oportunidade de melhora porque eles estão vindo com novas ideias. Eles têm muita criatividade, muita vontade  e têm esperança. Vejo eles como o futuro, apesar de que o país não está no melhor momento, com a política, violência, preconceito, mas vejo como uma oportunidade de melhorar algo no Brasil”, afirmou.  

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

“Meu Brasil” é tema de mostra fotográfica em Paris criada com método de “mentoria”