rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Chico Buarque é um pensador do Brasil", diz pesquisador

Por Márcia Bechara

Ele participou de conferência sobre a obra de Chico Buarque na sede da Embaixada brasileira e fala sobre seu livro nesta sexta-feira (3) no Instituto Alter'brasilis, em Paris. O RFI Convida hoje Roniere Menezes, doutor em literatura comparada e autor do livro "O traço, a letra e a bossa: literatura e diplomacia em Cabral, Rosa e Vinicius", publicado pela Editora UFMG em 2011.

Menezes é pesquisador nas áreas de literatura, música popular e cultura brasileira, além de especialista na obra de Chico Buarque. Ele disse não se surpreender com a decisão do compositor, nesta segunda-feira (31), de autorizar o Teatro Oficina a remontar a peça Roda Viva, reencenada pela trupe de Zé Celso Martinez, em 1968. O próprio diretor havia pedido a autorização a Chico numa carta aberta.

“Uma bela notícia nesse momento difícil do Brasil. Fico feliz com a conquista do Zé Celso, que vem tendo problemas para manter o espaço do Teatro Oficina em São Paulo. A peça [Roda Viva] traz uma releitura, há uma sobrevivência de aspectos que o Brasil já viveu no momento de sua primeira encenação. Uma peça bastante marcada na obra de Chico Buarque. Espero que dessa vez não aconteçam os problemas sérios que houve na primeira encenação da peça [quando membros do chamado CCC, o “Comando de Caça aos Comunistas, invadiu a peça e agrediu 19 atores].

Retorno à “canção política”

Roniere Menezes identifica uma volta de Chico Buarque à “canção política” com “Caravanas”, faixa que dá nome a seu último álbum, lançado em agosto de 2017. “Essa música é bastante forte, essa relação classes sociais distintas, principalmente na cidade do Rio de Janeiro, mas também uma metonímia do próprio Brasil de hoje, as disputas, as diferenças, está muito difícil conviver com as diferenças no país atualmente”, opina o escritor.

“A gente percebe estas questões em ‘Gente Humilde’, onde há um modo de tratar a favela, o morro, a comunidade, de uma maneira muito afetuosa, o canto é lírico, mais leve; agora, em ‘Caravanas’ já é um canto mais duro, mais ríspido até no modo de cantar. (...) Em‘Caravanas’ fica muito evidente a presença incômoda das pessoas do subúrbio que chegam à Zona Sul. Para mim, existe um convite para repensar essas divisões, pensando mais na ética e no afeto pelas pessoas diferentes”, afirma Menezes.

“Acredito que Chico Buarque seja um pensador do Brasil. Dos anos 1960 para cá, o Brasil transita pela obra do Chico. Tem tanto a questão da reflexão social, política, e também uma peculiaridade estética, a música dele foi ficando harmonicamente mais sofisticada. Há também um Chico que não é só aquele voltado para grandes temas, mas para essa política do cotidiano, da ética, pensando no homem comum”, analisa o pesquisador.

(Para ouvir a entrevista com Roniere Menezes na íntegra, clique acima na foto que ilustra esta matéria)

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha