rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Cinema precisa rever seus privilégios no Brasil de hoje", diz Marcelo Caetano

Por Márcia Bechara

Ele é diretor de cinema e apresentou seu longa durante o Festival de Cinema LGBTQ de Paris, o Chéries-Chéris. O filme Corpo Elétrico esteve no festival de cinema de Rotterdam, na Holanda, ganhou prêmio no México, e já passou por festivais em países como Polônia, Hong Kong, Reino Unido, Bélgica e Estados Unidos. O RFI Convida o diretor de cinema Marcelo Caetano.

Elias, personagem que é protagonista de Corpo Elétrico, traz duas marcas que poderiam facilmente se tornar estigmas sociais no Brasil: ele é gay e nordestino. Será que o desejo pode ser revolucionário? Segundo o diretor do filme, o mineiro Marcelo Caetano, a resposta é sim.

"É uma maneira de retirar o estigmas desses personagens, trazê-los para dentro da sociedade e produzir imagens novas, que mostrem estes personagens no mundo, convivendo, trocando e encontrando pessoas diferentes", afirma o diretor. "Precisamos entender esses personagens convivendo com heterossexuais, convivendo dentro da classe trabalhadora, circulando no espaço público no centro de São Paulo. É muito importantes que as pessoas vejam essas figuras existindo no espaço público, na rua", completa.

O diretor destaca a "sutileza" e a "delicadeza" de Corpo Elétrico: "É um filme que tenta encontrar sua beleza no cotidiano e eu acredito sim que esse personagem [Elias, o protagonista] não quer fazer parte das estatísticas de violência, ele quer se humanizar no encontro com os outros (...) É um filme que discute também outros conceitos de família que a família tradicional".

Política e solidariedade

"Estamos claramente falando de política e o que eu acredito enquanto política é o ato de filmar encontros improváveis, mas não impossíveis", comenta Marcelo Caetano. "São pessoas muito diferentes entre si. Acredito que seja uma solidariedade outsider, pessoas que estão nas margens da sociedade brasileira e que de uma certa forma se olham, se vêem e se encontram para resistir", continua o diretor.

"O que eu acho muito importante, e eu falo não só como cineasta, mas como artista que está pensando o Brasil de hoje, é que o cinema de uma certa forma se entenda enquanto uma arte como as outras, e seja solidário ao teatro, à dança, às artes visuais que têm sofrido problemas seríssimos de censura e de perseguição por parte de movimentos de extrema-direita no Brasil", desenvolve Caetano, que está e esteve no meio de grandes produções recentes do cinema brasileiro ele assina a produção de elenco de Aquarius, de Kleber Mendonça Filho e foi assistente de direção de Gabriel Mascaro em Boi Neon.

(Para ouvir a entrevista na íntegra, clique acima na foto do diretor que ilustra a matéria)

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista

"O problema do brasileiro é se conformar que Bolsonaro está eleito", diz Delfim Netto

Fotógrafa francesa Charlotte Dafol expõe em Paris imagens de ocupações brasileiras

“Atualmente, a França me dá mais perspectivas que o Brasil”, diz cantora Camila Costa que lança CD em Paris

"Trump colocará na conta dos democratas tudo o que não conseguir fazer", diz ex-correspondente do NYT no Brasil

"Governo brasileiro precisa facilitar exportação para pequenos empresários", afirma designer de joias

Grupo franco-brasileiro Bel Air de Forró é finalista em concurso internacional

"Brasil caminha muito mais para o isolamento do que para uma relação integrada com a comunidade internacional," diz cientista político

“A oratória de protesto do rap estava um pouco adormecida”, diz MC Rael, em turnê na Europa

Pintora brasileira radicada na França denuncia desmatamento da Amazônia em telas gigantes

Diretora de teatro de Belo Horizonte divulga festival artístico interdisciplinar em Paris

Bolsonaro representa uma continuidade do que está acontecendo hoje no Brasil, diz historiador americano

“Estamos todos ameaçados”, diz escritor João Paulo Cuenca sobre Bolsonaro

Cordel se adapta à tecnologia e tem até desafio repentista por WhatsApp, diz pesquisadora francesa

"Brasil vive época propícia para arte subversiva", diz autor de livro sobre cena musical psicodélica

Livro sobre Dandara, líder do movimento negro do Quilombo dos Palmares, é lançado na França