rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Cinema precisa rever seus privilégios no Brasil de hoje", diz Marcelo Caetano

Por Márcia Bechara

Ele é diretor de cinema e apresentou seu longa durante o Festival de Cinema LGBTQ de Paris, o Chéries-Chéris. O filme Corpo Elétrico esteve no festival de cinema de Rotterdam, na Holanda, ganhou prêmio no México, e já passou por festivais em países como Polônia, Hong Kong, Reino Unido, Bélgica e Estados Unidos. O RFI Convida o diretor de cinema Marcelo Caetano.

Elias, personagem que é protagonista de Corpo Elétrico, traz duas marcas que poderiam facilmente se tornar estigmas sociais no Brasil: ele é gay e nordestino. Será que o desejo pode ser revolucionário? Segundo o diretor do filme, o mineiro Marcelo Caetano, a resposta é sim.

"É uma maneira de retirar o estigmas desses personagens, trazê-los para dentro da sociedade e produzir imagens novas, que mostrem estes personagens no mundo, convivendo, trocando e encontrando pessoas diferentes", afirma o diretor. "Precisamos entender esses personagens convivendo com heterossexuais, convivendo dentro da classe trabalhadora, circulando no espaço público no centro de São Paulo. É muito importantes que as pessoas vejam essas figuras existindo no espaço público, na rua", completa.

O diretor destaca a "sutileza" e a "delicadeza" de Corpo Elétrico: "É um filme que tenta encontrar sua beleza no cotidiano e eu acredito sim que esse personagem [Elias, o protagonista] não quer fazer parte das estatísticas de violência, ele quer se humanizar no encontro com os outros (...) É um filme que discute também outros conceitos de família que a família tradicional".

Política e solidariedade

"Estamos claramente falando de política e o que eu acredito enquanto política é o ato de filmar encontros improváveis, mas não impossíveis", comenta Marcelo Caetano. "São pessoas muito diferentes entre si. Acredito que seja uma solidariedade outsider, pessoas que estão nas margens da sociedade brasileira e que de uma certa forma se olham, se vêem e se encontram para resistir", continua o diretor.

"O que eu acho muito importante, e eu falo não só como cineasta, mas como artista que está pensando o Brasil de hoje, é que o cinema de uma certa forma se entenda enquanto uma arte como as outras, e seja solidário ao teatro, à dança, às artes visuais que têm sofrido problemas seríssimos de censura e de perseguição por parte de movimentos de extrema-direita no Brasil", desenvolve Caetano, que está e esteve no meio de grandes produções recentes do cinema brasileiro ele assina a produção de elenco de Aquarius, de Kleber Mendonça Filho e foi assistente de direção de Gabriel Mascaro em Boi Neon.

(Para ouvir a entrevista na íntegra, clique acima na foto do diretor que ilustra a matéria)

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país

“Diálogo com a criança é extremamente importante”, diz autora de livro infantil sobre câncer de mama

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'