rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Ateliê parisiense de 1.000 m² acolhe artistas refugiados de guerra

Por Márcia Bechara

Eles vieram do inferno e as imagens que trouveram do passado servem agora de inspiração para suas obras. Abdelmonim Rahama escreveu seu primeiro romance na prisão, no Sudão, onde sofria torturas diárias. Oroubah Dieb era escultora conhecida em Damasco, na Síria, mas com a guerra e a falta de materiais, começou a pintar sobre colagens. Kubra Khademi, artista visual, performer e feminista afegã, coleciona corpos de boneca, recuperados do lixo, para ressignificar o corpo feminino afegão. Eles trabalham agora no Atelier des Artistes Exilés, o Ateliê dos Artistas Exilados (AEE), um espaço de 1.000 m² , que recebe cerca de 150 artistas refugiados, inaugurado em setembro de 2017 no 18° distrito de Paris.

(Para ouvir o programa, basta clicar na foto acima)

Ariel Cypel, um dos fundadores da associação, conta que os artistas refugiados vêm sobretudo de três partes do mundo: Oriente Médio, África e Cáucaso. "As quatro línguas que utilizamos aqui dentro cobrem a totalidade dessas regiões: francês, inglês, persa e árabe", explica Cypel, que, ao lado de Judith Epaule, vem de uma experiência cultural bem-sucedida no espaço Confluences, conhecido por sua política de inclusão social e diversidade de linguagens artísticas no 20°distrito da capital francesa.

"Ainda não temos artistas da América do Sul, quem sabe depois da crise na Venezuela, ou mesmo no Brasil", divaga o fundador da associação, enquanto segue pelo longo corredor, mostrando com orgulho os detalhes da ocupação dos mil m² do primeiro andar de um grande edifício do 18° distrito, no norte de Paris. "Antes, aqui era uma agência dos Correios. Depois, o espaço pertenceu ao Emmaus (Associação solidária e laica que ajuda pessoas em estado de precariedade na França). O Emmaus nos passou, foi quando ocupamos o lugar. Na sequência, foi necessário negociar com os proprietários, que são grandes empresários franceses, com alguma sensibilidade para causas humanitárias. Eles pagam a conta de luz e nos cederam gratuitamente o espaço, até que o prédio seja finalmente demolido, o que pode acontecer em seis meses ou cinco anos, não sabemos".

O escritor sudanês Abdelmonim Rahama trabalha em seu terceiro romance no Ateliê dos Artistas Exilados de Paris. RFI/Márcia Bechara

Da guerra para a arte, um espaço para a criação

Toturado "diariamente" durante o ano que ficou na prisão, o escritor sudanês Abdelmonim Rahama sonha em trazer sua família para Paris, onde escreve seu terceiro romance, sobre a escravidão na França. 

"Escapei do Sudão depois de ficar na prisão durante um ano. Fui torturado a cada minuto deste ano em que fiquei preso. Fui condenado à morte dentro da prisão por causa dos meus textos. Eu tinha um jornal diário chamado “Sinos da Liberdade”, que foi fechado pelo governo sudanês, depois criei uma outra revista, que também foi fechada. Devido à minha militância pelos direitos humanos, acabei sendo colocado lá", conta Rahama, irritado por ter perdido trechos de seu novo trabalho por causa de uma falha no pequeno laptop portátil que carrega na bolsa, que mais se assemelha a um brinquedo de criança.

"O ateliê é muito grande e muito bonito, nós precisamos de um espaço assim enquanto escritores. Especialmente porque somos refugiados. Por exemplo, estou morando num quarto pequeno com outro cara. Não é um ambiente propício para a escrita", explica o sudanês que aparenta cerca de 50 anos, a voz doce e o vocabulário atento em inglês.

Conhecida na Síria, a artista Oroubah Dieb trabalhou durante 25 anos com esculturas. Com o advento da guerra e a falta de materiais, ela passou a trabalhar com pintura e colagens. RFI/Márcia Bechara

"As casas morrem se seus habitantes desaparecem"

Uma mão no pincel, outra no celular, a artista plástica síria Oroubah Dieb mostra as imagens de sua casa completamente destruída na Síria pelos soldados de Bashar al-Assad, ao mesmo tempo em que explica a inspiração de seu trabalho, cenas da vida cotidiana, o prosaico nascido no meio da violência da guerra.

No canto direito de uma de suas telas, a inscrição "As casas morrem se seus habitantes desaparecem", ao lado de colagens que se assemelham a figuras humanas nos retalhos de uma casa esculpida num muro, com evidentes buracos de balas, janelas abertas para construções de pedra.

"Sou originalmente de Damasco. Depois da guerra me mudei para o Líbano, onde fiquei quatro anos, porque tenho três filhas e achava que ficar perto da Síria seria melhor para elas.  Quando a situação degenerou, achei melhor vir para a França, onde elas poderiam ter um futuro melhor", conta Dieb, escultora conhecida na Síria, onde trabalhou durante 25 anos com materiais diversos.

Women House: Exposição em Paris destrói estereótipos da mulher “do lar”

Árpád Schilling encena desencanto e ruptura em “perfomance dos Bálcãs”

Mega exposição em Paris homenageia Barbara, ícone da chanson française

Exposição em Paris recupera 2 mil anos de presença cristã no Oriente, apesar da perseguição

Filmes brasileiros concorrem em várias categorias no festival de cinema de Biarritz

Exposição em Paris celebra 40 anos da morte de Maria Callas, "la diva"

“Fotografia não é função masculina, é humana”, diz fotógrafa de guerra

Antigo prédio ocupado no centro de Paris vira polo artístico internacional

Grupo carioca apresenta releitura de "Alice no País das Maravilhas" em Edimburgo

Mostra sobre casamentos forçados abre centro de fotojornalismo em Paris

Montpellier Danse: encontro de gerações da dança contemporânea na França

Templo da literatura lusófona em Paris, editora Chandaigne celebra 25 anos

Aos 88, cineasta Agnès Varda explora com fotógrafo JR os vilarejos franceses