rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Saúde
rss itunes

Ensinada na Sorbonne, hipnose complementa medicina na França

Por Márcia Bechara

Ainda pouco compreendida, a hipnose é hoje uma prática terapêutica cada vez mais utilizada pela medicina tradicional, especialmente na França. Conhecida por utilizar um fenômeno natural entre a vigília e o sono, a hipnoterapia é usada principalmente dentro de blocos cirúrgicos franceses e no tratamento clínico de certos problemas de saúde crônicos e ganhou até diploma de Hipnose Médica na renomada Sorbonne.

Segundo Jean-Marc Benhaiem, médico hipnoterapeuta no Centro de Tratamento da Dor de dois grandes hospitais de Paris, o Hôtel de Dieu e o Hospital Ambroise Paré, é possível tratar por meio da hipnose uma série de vícios, e não apenas aqueles ligados ao tabaco. "Tratamos também distúrbios alimentares variados e as dores crônicas. Também existem muitos casos de fobia, uma enorme demanda de tratamento de fobias... E pacientes de burn-out, ansiedade, o stress, e também pessoas com problemas digestivos, há inclusive um enorme estudo clínico sobre as colopatias e a síndrome do cólon irritado", explica.

Para Jean-Marc Benhaiem, que é também responsável pelo curso de Hipnose Médica na Sorbonne, no campus Pitié-Salpêtrière Paris 4, a hipnose é extremamente útil no pré-operatório de hospitais e clínicas, onde a percepção ampliada da realidade permite uma mudança de contexto e a perda do controle intelectual para entrar em um estado sensorial.

“Há uma primeira etapa, que parece com o relaxamento, onde existe uma desativação cerebral que mostra que a pessoa está se acalmando. Depois, há uma segunda etapa, que nos surpreende, que se trata de uma hiperativação de processos de atenção, o que mostra que a pessoa não está de jeito nenhum relaxando ou dormindo, mas, ao contrário, existe uma espécie de liberação de diferentes zonas cerebrais, onde a pessoa começa a resolver alguma coisa”, contextualiza o médico. 

Eficaz para doenças com causas emocionais, hipnose sofre preconceito no Brasil

Segundo Luiz Carlos Crozera, fundador do Instituto Brasileiro de Hipnologia e da Sociedade Brasileira de Hipnose Condicionativa, a hipnose é um tratamento efetivo para todas as doenças com causas emocionais. “Nós vamos na causa do problema para reverter os sintomas. Evita-se inclusive grande parte de cirurgias. E quando a cirurgia é necessária trabalhamos analgesia, anestesia, o pós e o pré-operatório, tudo isso é trabalhado através da hipnose”, afirma.

“A maioria dos problemas dermatológicos, por exemplo, elas provêm de fundo emocional. A maioria dos cânceres também. As doenças autoimunes praticamente todas elas provêm de fundo emocional, mas a indústria farmacêutica tem a resistência de tratar definitivamente o problema, buscando realmente a causa para reverter os sintomas. Eles tentam amenizar o sintoma apenas, focando todo o tratamento apenas nos sintomas”, detalha o especialista brasileiro.

No entanto, a hipnose no Brasil, cujas sessões podem custam entre 300 e 500 reais, ainda sofre preconceito por parte da medicina tradicional. “É difícil no campo da Medicina um médico encaminhar pacientes para tratamento através da hipnoterapia. Mas com o tempo, com a mudança do estado de consciência das pessoas, elas estão buscando alternativas, as pessoas precisam de maior rapidez nos tratamentos, que geralmente duram anos e têm efeitos colaterais”, diz Crozera.

Curar doenças com "recursos próprios"

“Quando somos médicos, vemos que os medicamentos têm limites. Se a cada vez que alguém tem insônia lhe damos um sonífero, se a pessoa tiver dor lhe dermos um analgésico, se ela estiver deprimida lhe dermos um antidepressivo... Mas, essa pessoa não tem recursos próprios? Não poderíamos mobilizar estes recursos? Então, a ideia da hipnose é essa, mobilizar alguém que estava passivo em relação a seu problema de saúde, a hipnose vem ativar alternativas próprias para sair do sofrimento”, afirma o médico e professor francês Jean-Marc Benhaiem.

Segundo Benhaiem, o diploma universitário de Hipnose Médica na Sorbonne é cada vez mais procurado por profissionais de saúde na França, como cardiologistas, geriatras, dermatologistas, pediatras, clínicos gerais, parteiras e dentistas.

Brasil: apesar de lobby da indústria, nutricionistas lutam para promover alimentação adequada

Pesquisadores descobrem nova combinação de anticorpos que pode prevenir contaminação do HIV

Movimento contra uso da pílula cresce na França, revela jornalista em livro

Nova fórmula de remédio para tireoide causa problemas para milhares de pessoas na França

Desreguladores endócrinos: um perigo presente nos produtos do dia a dia

Exame de sangue para detectar Síndrome de Down chega aos hospitais públicos franceses