rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • França sugere que migrantes do navio Aquarius desembarquem em Malta
RFI CONVIDA
rss itunes

Pesquisadora traça paralelo entre os períodos pré-64 e pré-impeachment de Dilma

Por Paloma Varón

Natália de Santana Guerellus, professora de Civilização Brasileira na Universidade Paris Nanterre no Institut Franco-Brésilien Alter’Brasilis, além de membro da Associação para a Pesquisa sobre o Brasil na Europa falou à RFI sobre o papel da imprensa no período pré-1964, traçando um paralelo com o período pré-impeachment de Dima Rousseff. A pesquisadora fala também das eleições de 2018.

No Alter’Brasilis, ela ministra os ateliês oficinas "O Brasil e suas histórias" , que trata dos aspectos sociais, políticos e culturais dos principais períodos da história brasileira.

“Este ateliê começou há quase um ano, e na seção de hoje a gente vai trabalhar com o período que vai de 1960 a 1980, sempre fazendo comparações com a atualidade, fazendo relações, que acho que é o que mais interessa aos alunos. O objetivo do ateliê é de discutir alguns temas presentes na historiografia: a questão de golpe ou revolução, regime ou ditadura, a questão da participação civil… sempre numa perspectiva crítica”, disse.

Ela diz que o curso é para um público não-lusófono – a maioria é francesa –  e que seus alunos se interessam muito pelas relações do Brasil com a América Latina e a Europa. “A história contemporânea e as relações do Brasil com o mundo são os temas que geram mais interesse do público em Paris”, contou.

A professora faz paralelos entre o período pré-64 e o período pré-impeachment.

“Não só eu como muitos historiadores fazemos este paralelo e também entre dois momentos de democracia: entre 1945 e 1964, que foi a chamada ‘experiência democrática’ e essa democracia que vem após 1985. Inclusive estas datas são questionadas também, se a ditadura realmente acabou em 1985”, explicou ela.

“Estas comparações, estes paralelos entre estes dois períodos democráticos, podem ser feitos e servem para a gente pensar o que tem de estrutural na sociedade brasileira, que se repete, e o que é conjuntural. Faz parte do pensamento crítico fazer estas análises”, completou.

Papel da imprensa

Guerellus conta que estudou, em seu doutorado, a escritora brasileira Rachel de Queiroz e a sua mudança de posição politica no período entre 1945 e 1960. A escritora, que era filiada ao Partido Comunista nos anos 1930, apoiou o golpe militar de 1964.

Ela estudou a escritora no contexto da imprensa e isso abriu as portas para uma reflexão sobre o papel da imprensa na política brasileira.

 “A gente deveria pensar não só no papel que o Estado outrorga à imprensa – no regime militar, por exemplo, o governo acredita que a imprensa tem que divulgar os feitos do governo, valorizar o país – e tem um outro aspecto que é o papel que a própria imprensa se outorga”, observa.

“Creio que nos anos 40-60, a imprensa se pensava como um verdadeiro guia da sociedade, educadora e portadora da verdade. Já hoje, talvez a questão mais importante seja uma imprensa se acredita formadora de cidadãos, vinculada à ideia de cidadania, de democracia”, acredita.

Mídia e eleições de 2018

“Já tem alguns estudos sobre o papel da imprensa na desestabilização do governo de Dilma Rousseff e neste governo assumido por Michel Temer, então a imprensa está sempre ativa”.

“Agora que a gente começa a falar das eleições, ainda que a gente só vá saber mesmo quem são os candidatos em agosto do ano que vem, a imprensa agora está mais no foco da especulação: quem pode ser candidato? Vai desde Luciano Huck a Joaquim Barbosa, Sérgio Moro…  

“Eu acho que a imprensa está muito baseada na ideia de escolher uma figura heroica, salvadora – e isso é muito parecido com o período pré-1964, em relação à imprensa, e pelo que eu tenho sentido a imprensa agora está sondando quem podem ser os candidatos para concorrer com a grande figura que é ainda Lula. Então a imprensa faz estas sondagens para ver quem vai se opor a candidatura de Lula que é sempre forte – se ocorrer”, concluiu.

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano