rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Franceses trocam cimento por madeira em prédios comerciais

Por Adriana Moysés

Do sonho à realidade. Assim, a revista semanal francesa Le Point define uma nova tendência na França: o crescente uso da madeira de reflorestamento na construção civil. Adeus cimento, viva árvores do tipo epíceas e os pinheiros da floresta de Landes, na região sudoeste, um exemplo de floresta artificial criada para ser usada pela indústria.

Em abril de 2018, a cidade de Bordeaux irá inaugurar seu primeiro complexo de escritórios, em uma área de 4.600 metros quadrados, inteiramente construído com madeira certificada e alumínio. O edifício de seis andares, batizado de Perspectiva, será uma espécie de vitrine-laboratório dessa nova tendência no setor.

Especialistas garantem que não há risco de desmatamento abusivo com os novos projetos na área. Na verdade, em relação a outros países do norte da Europa, a França está até atrasada na aplicação dessa inovação.

A reportagem da Le Point mostra que as edificações que usam madeira no lugar de cimento custam de 10% a 20% mais caro, mas ficam prontas seis meses mais rápido, o que acaba compensando para as construtoras. Arquitetos também equacionaram a questão da altura dos edifícios. Construir arranha-céus em madeira é possível, é sustentável e pode acontecer em larga escala, como se observa nos projetos apresentados pela Le Point na região parisiense.

Vila Madalena terá edifício de 13 andares feito com madeira

O Brasil também terá em breve um prédio de 13 andares construído com madeira certificada. Ele será erguido em São Paulo, no bairro da Vila Madalena, para uso compartilhado – moradia e espaços de coworking.

A iniciativa partiu da Amata, empresa que vende madeiras certificadas no Brasil, e o escritório de arquitetura franco-brasileiro Triptyque projetou a obra. Cada metro cúbico de madeira reflorestada é capaz de absorver em média uma tonelada de carbono da atmosfera. Quando essa matéria-prima natural substitui o cimento, uma fonte não renovável de energia, automaticamente diminui-se o impacto do aquecimento global.

Entrevistado pela Le Point, Jerôme Mathieu, vice-presidente do escritório de arquitetura francês S2T, explica que a madeira apresenta várias vantagens: é mais resistente a incêndios do que tijolos, cimento e aço, por ser consumida pelo fogo de maneira mais lenta. É um material ecológico, de grande longevidade, ideal para esta fase de transição para uma sociedade de baixo carbono. Além de propriedades térmicas comprovadas, a madeira também tem qualidades acústicas e cria ambientes mais aconchegantes do que o cimento armado.

Vamos passear no bosque, sugere a Le Point a seus leitores. A selva de pedras pode estar com os dias contados.
 

A alguns dias das eleições europeias, imprensa francesa analisa "epidemia populista" no Velho Continente

O ministério da "incultura" do Brasil deve alimentar debates no Festival de Cannes

Evangélicos concorrem com muçulmanos em busca de novos fiéis nas periferias francesas

Coquetéis molotov e aplicativos que distorcem vozes: como os coletes "ultra-amarelos" planejam a "revolução"

‘Anti-Bolsonaro’, presidente mexicano encarna uma ‘renovação da esquerda’, diz revista francesa

Porta-voz negra e feminista de Macron quebra códigos da política francesa

Jovens franceses vivem com naturalidade ruptura da binaridade homem-mulher

Primeiro trimestre do governo Bolsonaro é uma “bagunça”, diz revista francesa

Polícia francesa adota regras para abordagem e prisão de transgêneros

Revista francesa entrevista miliciano que mata para defender governo Maduro

Famílias rivais Bourbon e Orléans apoiam coletes amarelos apostando em retorno da monarquia na França

Índios contestam construção de muro de Trump em reserva na fronteira com o México

Revista francesa aponta motivos para temer nova crise financeira mundial

Revista francesa questiona se “casamento” entre Bolsonaro e Guedes vai funcionar

Prefeita curda de 31 anos dirige a reconstrução de Raqqa, ex-capital do EI na Síria