rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Giuseppe Conte anuncia demissão do cargo de primeiro-ministro da Itália
A Semana na Imprensa
rss itunes

Franceses trocam cimento por madeira em prédios comerciais

Por Adriana Moysés

Do sonho à realidade. Assim, a revista semanal francesa Le Point define uma nova tendência na França: o crescente uso da madeira de reflorestamento na construção civil. Adeus cimento, viva árvores do tipo epíceas e os pinheiros da floresta de Landes, na região sudoeste, um exemplo de floresta artificial criada para ser usada pela indústria.

Em abril de 2018, a cidade de Bordeaux irá inaugurar seu primeiro complexo de escritórios, em uma área de 4.600 metros quadrados, inteiramente construído com madeira certificada e alumínio. O edifício de seis andares, batizado de Perspectiva, será uma espécie de vitrine-laboratório dessa nova tendência no setor.

Especialistas garantem que não há risco de desmatamento abusivo com os novos projetos na área. Na verdade, em relação a outros países do norte da Europa, a França está até atrasada na aplicação dessa inovação.

A reportagem da Le Point mostra que as edificações que usam madeira no lugar de cimento custam de 10% a 20% mais caro, mas ficam prontas seis meses mais rápido, o que acaba compensando para as construtoras. Arquitetos também equacionaram a questão da altura dos edifícios. Construir arranha-céus em madeira é possível, é sustentável e pode acontecer em larga escala, como se observa nos projetos apresentados pela Le Point na região parisiense.

Vila Madalena terá edifício de 13 andares feito com madeira

O Brasil também terá em breve um prédio de 13 andares construído com madeira certificada. Ele será erguido em São Paulo, no bairro da Vila Madalena, para uso compartilhado – moradia e espaços de coworking.

A iniciativa partiu da Amata, empresa que vende madeiras certificadas no Brasil, e o escritório de arquitetura franco-brasileiro Triptyque projetou a obra. Cada metro cúbico de madeira reflorestada é capaz de absorver em média uma tonelada de carbono da atmosfera. Quando essa matéria-prima natural substitui o cimento, uma fonte não renovável de energia, automaticamente diminui-se o impacto do aquecimento global.

Entrevistado pela Le Point, Jerôme Mathieu, vice-presidente do escritório de arquitetura francês S2T, explica que a madeira apresenta várias vantagens: é mais resistente a incêndios do que tijolos, cimento e aço, por ser consumida pelo fogo de maneira mais lenta. É um material ecológico, de grande longevidade, ideal para esta fase de transição para uma sociedade de baixo carbono. Além de propriedades térmicas comprovadas, a madeira também tem qualidades acústicas e cria ambientes mais aconchegantes do que o cimento armado.

Vamos passear no bosque, sugere a Le Point a seus leitores. A selva de pedras pode estar com os dias contados.
 

Bióloga brasileira denuncia tensões ideológicas na universidade após eleição de Trump

Ambição expansionista da China passa pela conquista dos portos mundiais, diz revista Le Point

Morte de Marielle continua pairando na vida política do Brasil, diz revista francesa

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha

Manifesto de 50 médicos, magistrados e políticos pede legalização da maconha na França

Ao atacar universidade, Bolsonaro visa uma juventude que lhe é hostil, diz Safatle

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo

A alguns dias das eleições europeias, imprensa francesa analisa "epidemia populista" no Velho Continente

O ministério da "incultura" do Brasil deve alimentar debates no Festival de Cannes

Evangélicos concorrem com muçulmanos em busca de novos fiéis nas periferias francesas

Coquetéis molotov e aplicativos que distorcem vozes: como os coletes "ultra-amarelos" planejam a "revolução"

‘Anti-Bolsonaro’, presidente mexicano encarna uma ‘renovação da esquerda’, diz revista francesa

Porta-voz negra e feminista de Macron quebra códigos da política francesa

Jovens franceses vivem com naturalidade ruptura da binaridade homem-mulher