rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Airbus Acidente TAM Indenização Justiça Avião

Publicado em • Modificado em

Airbus paga R$ 30 milhões por indenização de acidente com avião da TAM

media
Avião da TAM chega no aeroporto de Congonhas, cuja pista ganhou uma saída de escape para chegadas após o acidente de 2007. Reprodução Youtube

A empresa europeia Airbus vai pagar mais de R$ 30 milhões (cerca de € 7,75 milhões) a alguns dos familiares das 199 vítimas do acidente aéreo de 2007, em São Paulo, segundo anunciou nesta segunda-feira (11) um dos advogados das famílias.


"Depois de anos de negociações, 33 famílias assinaram o acordo com a Airbus", declarou a advogada Gabriela Ristow, observando que a compensação diz respeito a 93 membros de 33 famílias. O acordo foi assinado em novembro, sem se tornar público na ocasião, e foi aprovado por um juiz de um tribunal no Rio de Janeiro.

A advogada não forneceu detalhes sobre os montantes recebidos por cada uma das 93 pessoas compensadas, mas alegou que o valor total ultrapassava R$ 30 milhões.

A empresa Airbus confirmou ter chegado a um “acordo com as famílias das vítimas", mas declarou que o acidente "foi causado por falha ou defeito relacionado ao aparelho" do consórcio europeu.

A companhia aérea TAM também é objeto de outros pedidos de indenização na Justiça brasileira.

A pior tragédia da aviação comercial brasileira

"Nenhuma soma de dinheiro será digna do sofrimento dessas famílias, mas acho que é uma vitória para elas. É uma compensação bem acima da média para este tipo de acidente no Brasil", concluiu a advogada. O acidente aconteceu em 17 de julho de 2007, com um Airbus A320 da empresa TAM (agora Latam), de Porto Alegre.

Depois de aterrissar na pista de corrida curta no aeroporto de Congonhas, o piloto não pôde travar a aeronave, que caiu num depósito de carga. As 187 pessoas a bordo da aeronave morreram, bem como os 12 funcionários que estavam no prédio. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aéreos concluiu em 2009 que o acidente foi causado por fatores humanos e problemas técnicos, mas ninguém foi condenado.

Em julho de 2017, foram organizados muitos tributos para as vítimas para comemorar os dez anos do acidente, considerado a pior tragédia da aviação comercial brasileira.