rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"É urgente transformar o consumo", diz estilista brasileira vencedora de prêmio em Paris

Por Márcia Bechara

Ela é paulista, radicada em Paris há mais de 20 anos e acaba de ganhar um prêmio inédito, criado pela Prefeitura de Paris, para homenagear criadores que trabalhem exclusivamente dentro da capital francesa. O RFI Convida hoje a estilista Márcia de Carvalho, criadora do projeto Les Chaussetes Orphelines, que mistura criatividade, reciclagem e solidariedade para criar peças únicas.

A estilista brasileira Márcia de Carvalho, criadora do projeto Les Chaussetes Orphelines, ganhou o primeiro prêmio na categoria Inovação, dentro do selo Fabriqué à Paris, Fabricado em Paris, criado pela prefeitura de Paris, que premia iniciativas e produtos que sejam total e completamente fabricados dentro da capital francesa.

"Esse selo da prefeitura de Paris é muito interessante para valorizar, justamente, dentro dessa economia circular, os produtos de proximidade. A gente produz aqui, dentro de ateliês, especialmente no bairro de Goutte D'Or [no 18° distrito de Paris]. Várias peças são criadas em nossos ateliês e nos ateliês vizinhos: bolsas, roupas, tudo feito a partir deste fio que a gente criou com engenheiros franceses, para termos esse material exclusivo e inovador que ganhou o prêmio", afirma a estilista.

Produtos premiados do projeto Les Chaussetes Ofphelines, da estilista brasileira Márcia de Carvalho, que trabalha com materiais reciclados. RFI/Élcio Ramalho

"'Les Chaussetes Orphelines', as 'Meias Órfãs', é um projeto que começou em 2008, eu tinha sido convidada para apresentar um projeto criativo para a Prefeitura de Paris, enquanto estilista e designer de moda, e eu queria fazer alguma coisa ligada a desenvolvimento sustentável. Arrumando a gaveta dos meus filhos, vi essas meias soltas... E tive a ideia do projeto. Pouco a pouco a iniciativa teve muito sucesso, a gente recebia muitas meias, centenas de quilos, então fiz um apelo a engenheiros para a gente poder colocar no ponto este fio, que permitira de retricotar meias, fazendo um círculo completo, e outras peças", relata Márcia de Carvalho.

A estilista acredita que os prêmios aumentam a visibilidade do projeto e atraem investidores. "Mesmo quando a gente é apenas finalista de um prêmio já é muito importante, mesmo sem ganhar, porque é claro que a comunicação é fundamental no desenvolvimento dos projetos. É assim que o projeto fica conhecido e fica mais fácil encontrar as pessoas que a gente precisa para se desenvolver economicamente", afirma a criadora brasileira.

"É urgente transformar o consumo, cada vez mais se fala nesse assunto. Existe realmente uma urgência de consumir de outro jeito, de consumir menos, por um lado, e de consumir melhor", finaliza Márcia de Carvalho.

* Para ouvir a entrevista na íntegra, basta clicar na foto acima.

* Para acessar o site do projeto, clique aqui.

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae