rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Turquia Comércio Emmanuel Macron Recep Tayyip Erdogan Direitos Humanos

Publicado em • Modificado em

Macron recebe presidente turco “sem hipocrisia” em Paris

media
O presidente francês Emmanuel Macron recebe seu homólogo turco, Recep Tayip Erdogan, no Palácio do Eliseu, em Paris, em 5 de janeiro de 2018. REUTERS/Ludovic Marin/Pool

O presidente francês não teve papas na língua e não poupou críticas durante encontro com seu homólogo turco, Recep Tayip Erdogan, nesta sexta-feira (5) no Palácio do Eliseu, em Paris. No entanto, para além de eventuais provocações de ambos os lados, o prato principal do menu deste encontro eram as relações comerciais entre os dois países: a França é um parceiro importante para os turcos.


O encontro com o presidente turco previa um menu espinhoso, mas Emmanuel Macron optou por não baixar a guarda. “A Turquia está cansada de esperar uma eventual adesão à União Europeia”, reclamou Erdogan, que escolheu a França com primeira viagem oficial de 2018. “Não podemos continuar a implorar eternamente para fazer parte do bloco”, estimou o presidente turco.

Macron rebateu dizendo que os “fatos recentes” na Turquia “não permitem que se faça nenhum avanço neste sentido”. “É preciso parar com a hipocrisia que consiste a pensar que poderemos abrir novos capítulos dentro desta negociação com a União Europeia”, disparou. Erdogan não criou problemas, afinal trouxe um objetivo na bagagem: tentar aumentar o comércio exterior com a França em € 20 bilhões.

Ao lado de seu homólogo turco, na coletiva de imprensa conjunta no Palácio do Eliseu, o presidente francês disse ainda ter evocado “diversos casos de ofensa aos Direitos Humanos”. Sobre os jornalistas mantidos presos na Turquia, Macron disse que “as democracias devem respeitar completamente o Estado de Direito”.

No que diz respeito no combate ao terrorismo, o chefe de Estado francês foi mais brando e disse que “em matéria de luta antiterrorista, a cooperação entre a França e a Turquia é exemplar”. Erdogan declarou, por sua vez, que “pedirá informações ao Ministério da Justiça sobre a lista de nomes e organizações fornecida por Macron”.