rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Imigrantes Marine Le Pen Frente Nacional assédio

Publicado em • Modificado em

Marine Le Pen diz que assédio na rua é cometido por imigrantes

media
Marine de Pen, presidente da Frente Nacional (FN), durante coletiva de Ano Novo para a imprensa francesa em 15 de janeiro de 2018. REUTERS/Charles Platiau

Distante do noticiário francês e mundial desde a eleição presidencial francesa, em maio de 2018, a líder da extrema-direita, Marine Le Pen, do partido Frente Nacional (FN), declarou nesta segunda-feira (15) que existe uma “ligação” entre “assédio e imigrantes” na sociedade francesa.


Desaparecida dos holofotes da imprensa desde a derrota para o atual presidente francês Emmanuel Macron, Marine Le Pen pegou carona na recente polêmica envolvendo a atriz Catherine Deneuve, num texto assinado por 100 intelectuais francesas em defesa da “liberdade sexual”. A líder da extrema-direita declarou que os imigrantes “introduzem [no país] uma cultura de não-respeito e de submissão das mulheres na sociedade francesa”.

“Ninguém quer falar do assédio de rua”, declarou a presidente da Frente Nacional, questionada sobre as agressões feitas às mulheres durante a reunião anual com a imprensa francesa.

“O assédio de rua é feito em sua maioria por imigrantes que importam uma cultura de não-respeito às mulheres, de submissão e mesmo, para alguns, de bastante desprezo em relação às francesas”, completou.

“Mesmo se nós [da Frente Nacional] somos os únicos a dizer isso, continuaremos a afirmá-lo”, conclui Le Pen.

Marine Le Pen, única liderança feminina de peso nas últimas eleições presidenciais também comentou o manifesto assinado por cem personalidades francesas no jornal Le Monde, que defendia o “direito dos homens a importunar as mulheres” em prol da “liberdade sexual”, texto que irritou profundamente as feministas francesas.

Ela afirmou que “existem coisas importantes tanto de um lado como de outro”. “O assédio é uma realidade sobretudo quando é exprimido por pessoas que possuem um poder hierárquico sobre outras, mas é a Justiça que deve cuidar disso”, analisou Le Pen, que se declarou “chocada por processos mediáticos que deixam culpados sem condenação”.