rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Um pulo em Paris
rss itunes

Rio Sena transborda e museus de Paris fecham salas para proteger obras de arte

Por Silvano Mendes

O Louvre e o Museu d’Orsay estão em alerta desde que o Sena, que cruza Paris, começou a transbordar esta semana. As fortes chuvas que marcaram o mês de janeiro provocaram inundações em vários pontos da cidade e as duas instituições, situadas às margens do rio, acionaram um plano de emergência para proteger suas obras de arte.

 

A França vive um dos meses de janeiro mais chuvosos de sua história recente. Em apenas quatro semanas choveu o equivalente a seis meses em algumas regiões. Um dos resultados foi a alta do nível de vários rios do país, entre eles o Sena, que cruza a capital Paris.

Desde o início da semana, as vias expressas paralelas ao rio registraram pontos de alagamento e foram interditadas. Uma linha de trens que cruza a cidade também teve sua circulação parcialmente suspensa. Nas periferias, a alta do Sena e de seus afluentes inundou algumas cidades e centenas de pessoas foram tiradas de suas casas. Cerca de mil residências também ficaram sem eletricidade na noite de quinta-feira (25).

Mas além dos riscos para a população, as autoridades estão cada vez mais preocupadas com a situação de duas instituições culturais: o Louvre e o museu d’Orsay. Situados, respectivamente, nas margens direita e esquerda do Sena, os dois museus assistem de camarote a subida das águas.

Desde segunda-feira (22), um dispositivo de alerta foi acionado no Louvre. O maior museu do mundo, que acolhe obras como a Mona Lisa, já fechou um de seus andares inferiores por medida de precaução. O fechamento faz parte de um Plano de proteção contra inundações (PPCI), procedimento que inclui ainda o estabelecimento de uma lista detalhada de todas as obras de arte que devem ser retiradas caso o nível da água represente um perigo maior. 

Fantasma do alagamento de 1910 ainda assusta parisienses

Desde que foi criado em 2002, o dispositivo já foi acionado uma vez, em junho de 2016, quando as chuvas provocaram a alta do Sena. Mesmo se nenhuma infiltração foi registrada, 152 mil peças conservadas em zonas de risco foram transferidas na época para andares mais elevados.

Do outro lado do rio, o Museu d’Orsay, conhecido por suas esculturas, também acionou o PPCI. A instituição, construída em uma antiga estação ferroviária, chegou a anular sua abertura noturna desta quinta-feira (25), quando eventos ligados à exposição de homenagem ao centenário da morte do pintor Edgar Degas estavam previstas.  

As chuvas devem continuar nos próximos dias na França e as autoridades estimam que o nível do Sena vai subir ainda mais, ultrapassando 6m de altura. Mas apesar das medidas de precaução, as inundações ainda estão longe dos mais de 8 metros alcançados pelo famoso rio em 1910. Conhecida como o alagamParisento do século, a catástrofe marcou a memória dos frances, com fotos que até hoje ilustram os livros de história.

Paris inaugura primeiro centro de arte digital com exposição de pintores austríacos

Greves na França levantam debate sobre privatização do sistema ferroviário europeu

Imprensa europeia dá crédito a Lula pelas conquistas sociais que promoveu no Brasil

Macron vai na contramão da Europa com escola obrigatória a partir dos 3 anos de idade

Franceses debatem mudanças na lei de bioética e maioria aprova barriga de aluguel

Paris terá marcha e vigília no fim de semana em homenagem a Marielle Franco

Governo francês multiplica ações para favorecer a igualdade de gênero

França vai estipular em 15 anos idade mínima legal para relação sexual

França também celebra carnaval, com polêmica racista e medo de terrorismo

Catherine Millet diz que adversárias feministas exageram na indignação