rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Grace Passô traz à Europa reflexões sobre negritude e identidade

Por Márcia Bechara

O RFI Convida a atriz, escritora e dramaturga Grace Passô, vencedora do Prêmio Cesgranrio 2017 na categoria Melhor Texto Nacional Inédito com "Mata Teu Pai" e do prêmio de Melhor Atriz do Festival de Cinema do Rio de Janeiro, por sua participação no filme "Praça Paris", de Lucia Murat. Grace, que também tem no currículo alguns dos prêmios mais importantes das Artes Cênicas brasileiras, como o Shell, o APTR e o APCA, apresentou o espetáculo "Preto", cujo texto ela co-assina com o diretor da peça, Márcio Abreu, no Teatro-Cinema Paul Eluard, em Choisy-le-Roi, nos arredores de Paris, em 2 de fevereiro de 2018.

(Clique na foto acima para ouvir a entrevista na íntegra)

"'Preto' é um espetáculo da Companhia Brasileira de Teatro, com direção do Márcio Abreu; o grupo é formado por atores e atrizes que vêm de diferentes cidades brasileiras. A peça é uma dramaturgia que foi elaborada por mim e pelo Márcio e pela Nádia [iluminação], a partri de improvisos dos atores e atrizes dentro da sala de ensaio, partindo de reflexões sobre a negritude brasileira", explica Grace Passô.

"O elenco é formado por pessoas negras e brancas. Ao longo de mais de um ano trocamos uma série de materiais e mergulhamos em uma série de estudos e experiências com esse desafio", conta a atriz e dramaturga mineira. 

"Existe uma questão hoje de extrema importância, que faz parte um pouco do alfabeto que as militâncias negras brasileiras vêm colocando na nossa sociedade, que é a importância de que a história negra seja contada a partir da perspectiva dos negros. Existe uma questão muito cruel no país; ao longo da nossa História, costumamos ouvir narrativas negras a partir do ponto de vista de pessoas não-negras", afirma.

"O fato do elenco da peça ser formado por pessoas negras e não-negras nos fez, de certa forma, falar sobre a identidade de cada um. Verdadeiramente não falamos sobre a questão da negritude o tempo inteiro, mas atores e atrizes são incentivados a falarem sobre suas raízes e suas identidades formadoras. A partir das nossas diferenças expostas, a partir disso a gente fala sobre negritude e passamos por questões, por exemplo, como aquelas relacionadas ao racismo", diz a artista.

Depois da França, o espetáculo "Preto", deverá ser apresentado também em Berlim, em maio de 2018, depois de uma carreira europeia que passou, até agora, por Dresden e Frankfurt.  

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político

Sergio Amadeu: combate à desinformação na rede é importante mas não pode virar censura

“Nosso trabalho é mais valorizado fora do Brasil”, diz Sandra Veloso, do Balé Folclórico de Fortaleza

Ilustradora Suppa e Miguel Falabella criam canal no Youtube para crianças de todas as idades

A carne é um objeto de sedução e excitação, diz Júlio Bressane em Locarno

Calixto Neto dança a “ira” para reinventar “corpos minoritários” no Festival Camping, em Paris

"Rever acordos de paz com as FARC é um risco para novo presidente da Colômbia”, diz historiador

Em Arles, Thyago Nogueira, do IMS, divulga fotografia brasileira contemporânea

Cineasta franco-suíço apresenta filme sobre a busca por entrevista com João Gilberto

Documentário brasileiro “Zaatari” revela força e poesia de refugiados sírios na Jordânia

Crise ameaça renovação da classe científica brasileira, diz Marcelo Viana, organizador do Congresso Internacional de Matemáticos

Revista acadêmica francesa lança número especial sobre crise política no Brasil

"Existe um índio dentro de cada brasileiro", diz Ernesto Neto, em cartaz com a escultura monumental GaiaMotherTree na Suíça

Turistas brasileiros cada vez mais interessados em história da arte em Paris

“Riqueza infinita”: apresentador Gilles Bourgarel promove música brasileira há 14 anos na Françar

“Discussão sobre identidade de gênero no teatro é uma tendência mundial”, diz professora da USP que acompanha o Festival de Avignon

Cineasta Lúcia Verissimo defende a importância da preservação da memória de um país