rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Um pulo em Paris
rss itunes

Governo francês multiplica ações para favorecer a igualdade de gênero

Por Adriana Moysés

O governo francês aproveitou o Dia Internacional da Mulher (8) para anunciar uma série de medidas de combate às desigualdades de gênero. As ações envolvem a proteção dos direitos das mulheres no mercado de trabalho, a nomeação de um mediador referente nas escolas públicas, a fim de ajudar os professores a combater no dia a dia os esteriótipos de gênero entre as crianças, além de medidas para vítimas de violência conjugal e assédio.

A partir de 2019, as empresas francesas com mais de 250 empregados serão obrigadas a implantar um software gratuito em seus sistemas de gestão de recursos humanos que irá apontar diferenças injustificadas de salários entre homens e mulheres ocupando as mesmas funções. As firmas com 50 a 249 colaboradores terão prazo até 2020. Até o fim deste ano, o governo realizará reuniões com representantes de sindicatos de trabalhadores e patronais para definir os parâmetros do programa. Os empresários terão três anos para corrigir as irregularidades. A partir de 2022, aqueles que não cumprirem a lei estarão sujeitos a multa de 1% da folha de pagamento.

Segundo a Eurostat, a agência europeia de estatísticas, as francesas ganham 9% a menos do que os homens quando trabalham na mesma função. Mas outros estudos mostram que, globalmente, as mulheres recebem salários 25% inferiores aos dos homens no país.

Ação nas escolas

Outro eixo de ação do governo é combater os preconceitos sexistas desde a infância. As escolas do sistema público terão mediadores encarregados de ajudar os professores com debates e a organização de iniciativas internas para superar os esteriótipos de gênero. Especialistas constatam que, desde o primário, os meninos "ocupam" os pátios de recreação para jogar bola, deixando pouco espaço às meninas, primeiro indício de uma dominação.

Garotos têm dificuldades de aceitar meninas no futebol e mais ainda de compartilhar brincadeiras que elas gostam, como dançar, por exemplo, diz a geógrafa Édith Maruéjouls. "Eles morrem de vergonha de entrar no universo delas. Já as meninas crescem em um espaço restrito, contidas, relegadas a um espaço íntimo, enquanto eles vão sendo valorizados pela performance", explica a geógrafa.

Vítimas de violência conjugal

O governo vai criar uma plataforma de geolocalização de refúgios de urgência para mulheres vítimas de violência conjugal. Atualmente acessível apenas para profissionais e associações do setor, a rede vai crescer em número de leitos e ser acessada diretamente pelas vítimas e seus filhos.

Novas multas para o assédio de rua

Pesquisas recentes mostram que na região parisiense, por exemplo, 90% das mulheres que utilizam o transporte público consideram que foram vítimas de violência física, verbal ou de algum tipo de assédio. O governo decidiu combater essas práticas do cotidiano com a criação de uma multa que pode variar de € 90 a € 750 euros por assobios, comentários obscenos ou gestos impróprios no espaço público. O preço da multa subirá em função da demora do autor do assédio em pagá-la.

Esse tipo de infração vai exigir flagrante. Policiais que atuam no patrulhamento de bairros terão de autuar o assédio na presença do infrator.

Loteria e sites de aposta lucram na França às vésperas da final da Copa do Mundo

Autolib': Paris abandona locação de carros elétricos e adota patinetes

França tem Copa sem telões, com presidente torcedor e música para Depardieu nas arquibancadas

França vai diminuir construção de prédios adaptados para pessoas com deficiência

Programa da prefeitura de Paris consegue reduzir desperdício de alimentos

França pune pedófilos que armazenam imagens de pornografia infantil com prisão e multa

Migrantes morrem afogados em canal de Paris e relançam debate sobre crise dos refugiados

Carências no sistema de moradia popular também provocam mortes na França

Paris inaugura primeiro centro de arte digital com exposição de pintores austríacos

Greves na França levantam debate sobre privatização do sistema ferroviário europeu

Imprensa europeia dá crédito a Lula pelas conquistas sociais que promoveu no Brasil

Macron vai na contramão da Europa com escola obrigatória a partir dos 3 anos de idade