rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Um pulo em Paris
rss itunes

Governo francês multiplica ações para favorecer a igualdade de gênero

Por Adriana Moysés

O governo francês aproveitou o Dia Internacional da Mulher (8) para anunciar uma série de medidas de combate às desigualdades de gênero. As ações envolvem a proteção dos direitos das mulheres no mercado de trabalho, a nomeação de um mediador referente nas escolas públicas, a fim de ajudar os professores a combater no dia a dia os esteriótipos de gênero entre as crianças, além de medidas para vítimas de violência conjugal e assédio.

A partir de 2019, as empresas francesas com mais de 250 empregados serão obrigadas a implantar um software gratuito em seus sistemas de gestão de recursos humanos que irá apontar diferenças injustificadas de salários entre homens e mulheres ocupando as mesmas funções. As firmas com 50 a 249 colaboradores terão prazo até 2020. Até o fim deste ano, o governo realizará reuniões com representantes de sindicatos de trabalhadores e patronais para definir os parâmetros do programa. Os empresários terão três anos para corrigir as irregularidades. A partir de 2022, aqueles que não cumprirem a lei estarão sujeitos a multa de 1% da folha de pagamento.

Segundo a Eurostat, a agência europeia de estatísticas, as francesas ganham 9% a menos do que os homens quando trabalham na mesma função. Mas outros estudos mostram que, globalmente, as mulheres recebem salários 25% inferiores aos dos homens no país.

Ação nas escolas

Outro eixo de ação do governo é combater os preconceitos sexistas desde a infância. As escolas do sistema público terão mediadores encarregados de ajudar os professores com debates e a organização de iniciativas internas para superar os esteriótipos de gênero. Especialistas constatam que, desde o primário, os meninos "ocupam" os pátios de recreação para jogar bola, deixando pouco espaço às meninas, primeiro indício de uma dominação.

Garotos têm dificuldades de aceitar meninas no futebol e mais ainda de compartilhar brincadeiras que elas gostam, como dançar, por exemplo, diz a geógrafa Édith Maruéjouls. "Eles morrem de vergonha de entrar no universo delas. Já as meninas crescem em um espaço restrito, contidas, relegadas a um espaço íntimo, enquanto eles vão sendo valorizados pela performance", explica a geógrafa.

Vítimas de violência conjugal

O governo vai criar uma plataforma de geolocalização de refúgios de urgência para mulheres vítimas de violência conjugal. Atualmente acessível apenas para profissionais e associações do setor, a rede vai crescer em número de leitos e ser acessada diretamente pelas vítimas e seus filhos.

Novas multas para o assédio de rua

Pesquisas recentes mostram que na região parisiense, por exemplo, 90% das mulheres que utilizam o transporte público consideram que foram vítimas de violência física, verbal ou de algum tipo de assédio. O governo decidiu combater essas práticas do cotidiano com a criação de uma multa que pode variar de € 90 a € 750 euros por assobios, comentários obscenos ou gestos impróprios no espaço público. O preço da multa subirá em função da demora do autor do assédio em pagá-la.

Esse tipo de infração vai exigir flagrante. Policiais que atuam no patrulhamento de bairros terão de autuar o assédio na presença do infrator.

Associações propõem que políticos franceses vivam 15 dias “na pele de um pobre”

Humoristas francesas de stand up dão novo fôlego às causas feministas

Francês se aposenta com 62 anos, mas contribui 40 anos para receber a metade do que ganhava na ativa

Incêndios na mesma semana em CT do Flamengo e Paris levantam questões de segurança

Prostituição: Conselho Constitucional da França valida lei que pune clientes

“Coletes amarelos”: Macron organiza debates com franceses e reconquista popularidade

Depredação de radares vira "basta" a suposta "indústria da multa" na França

Fracasso de “Passe Livre” em Paris levanta debate sobre transporte gratuito nas metrópoles

Franceses enfrentam 2019 com imposto retido na fonte e multiplicação de movimentos sociais

Paris mantém magia de Natal em meio à crise social dos "coletes amarelos"

Segurança reforçada na França para 5° fim de semana de protestos dos “coletes amarelos”

Manifestação de "coletes amarelos" fecha lojas, museus e cancela eventos em Paris

Movimento dos “coletes amarelos” contesta fim de imposto para os mais ricos na França

Ongs francesas convocam boicote à Black Friday e propõem "sexta-feira verde"

Movimento dos “coletes amarelos” une extrema direita e esquerda radical na França

Cemitérios parisienses são ricos em história, cultura e biodiversidade