rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Revista francesa analisa se papa Francisco é corajoso ou demagogo

Por Adriana Moysés

A diplomacia do papa Francisco, chefe da Igreja, de Estado e de Governo do Vaticano, é tema da reportagem de capa da revista semanal Le Point. O sorridente argentino Jorge Mario Bergoglio é o primeiro papa latino-americano, o primeiro do hemisfério Sul e também o primeiro cujo pontificado transcorre em escala mundial.

Em cinco anos de exercício, Francisco já recebeu 90 chefes de Estado e de Governo no Vaticano, alguns deles mais de uma vez. Os dirigentes internacionais fazem fila para se reunir com ele. Sua influência crescente no cenário internacional e sua disposição de dialogar com líderes controversos, como Donald Trump, Recep Erdogan, Vladimir Putin e Xi Jinping, fazem a revista semanal francesa questionar se o papa Francisco não seria "o líder do mundo livre". 

O papa Francisco atua com agilidade, opina a jornalista Constance Colonna-Cesari, autora do livro “No sigilo da diplomacia vaticana” (“Dans les secrets de la diplomacie vaticane”, editora Seuil). Ele já coleciona sucessos nessa ação, como a reaproximação entre Cuba e Estados Unidos, anterior a Trump, e o acordo de paz com as Farc na Colômbia. Além disso, ele envia ao mundo gestos simbólicos fortes, como o abraço ao líder sunita xeque Ahmed al-Tayeb, no ano passado, durante a visita que fez à cidade do Cairo em meio à onda de atentados contra os cristãos coptas egípcios. A Igreja Católica está na linha de frente no acolhimento de refugiados na Europa, e o papa sacode a consciência daqueles que insistem na crispação identitária, menciona o texto.

Segundo a Le Point, a influência do papa também está por trás da aproximação entre o líder sul-coreano Moon Jae In e o norte-coreano Kim Jong Un, que deve resultar num encontro do dirigente comunista com Donald Trump, atenuando a ameaça de uma guerra nuclear. O presidente da Coreia do Sul é católico e ouviu do papa, durante uma visita de Francisco a Seul, que “o perdão é a porta que leva à reconciliação”.

Consciência do mundo

No momento em que as cartas do jogo geopolítico mudam de mãos e que se multiplicam os regimes autoritários, o pensamento de Francisco é uma inspiração, observa a Le Point. Grandes ícones antes associados à luta pelos desfavorecidos perderam a credibilidade, diz a revista, citando o ex-presidente Lula, a líder birmanesa Aung San Suu Kyi, passiva diante da perseguição à minoria rohingya, e o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, que sequer é ouvido.

Para a Le Point, o papa Francisco tem a oportunidade de se tornar a consciência do mundo. Um cardeal que não tem o nome citado na reportagem, amigo de Francisco desde os tempos em que ele ainda morava em Buenos Aires, diz que ele assumiu a luta contra as discriminações em escala planetária, suscitando uma adesão maciça. “Quando o conheci, ele parecia triste, insatisfeito; agora, ele propaga uma alegria contagiosa, principalmente depois que encontrou o tom certo para lidar com a mídia e consegue levar sua mensagem para todo o planeta”.

O Vaticano entrou na era da “promoção de marca” do papa Francisco. Aos detratores incomodados com esta estratégia, o diretor do Observatório Romano, Giovanni Maria Vian, sorri, acrescentando que Francisco não tem a menor vontade de viajar. “Ele age como um missionário, da mesma forma que os jesuítas no século 17.” “Corajoso ou demagogo?”, questiona a Le Point. “Um agitador de ideias, adepto do encontro e da transversalidade, que vê a humanidade como um magnífico poliedro, no qual todas as faces estão à mesma distância do centro”, explica a revista.

Na opinião do cardeal Jean-Louis Tauran, presidente do Conselho para o Diálogo Interreligioso da Santa Sé, o papa argentino é, antes de mais nada, “um homem que não tem medo de ninguém, que fala a verdade, que não tem a solução, mas também não condena ninguém, apenas ajuda as pessoas a pensar e a progredir”. Ele tornou-se a referência moral do mundo, resume o cardeal.

Livreiro espalha ursos de pelúcia em bairro de Paris e cria laços entre vizinhos

Revista conta como artistas húngaros vivem com a política repressiva de Orban

Figurinos de Jean Paul Gaultier para Portela já despertam interesse dos franceses

Revista L’Obs traz matéria sobre o “Fascismo Tropical” de Bolsonaro

Revista francesa traz perfil de vice de Bolsonaro, um “general sinistro”

Com recompensa de US$ 25 mi, líder do grupo EI é o homem mais procurado do mundo

Rival de Merkel consegue se impor como homossexual em partido homofóbico

Qualquer que seja o presidente eleito, será difícil tirar Brasil da crise, diz revista francesa Le Point

Psiquiatras franceses defendem Plano Nacional para tratar distúrbios mentais

Revista revela casos de assédio sexual nos conservatórios musicais da França

Livro mostra como poder econômico compra eleição e enfraquece democracia

Francesa mostra circuito de 200 motéis como atração turística do Rio de Janeiro

Revista L’Obs questiona “o que é ser um homem na era pós #Metoo”