rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Um pulo em Paris
rss itunes

Ditado obrigatório nas escolas provoca novo debate na França

Por Silvano Mendes

O ministro francês da Educação, Jean-Michel Blanquer, publicou nesta quinta-feira (26) no Diário oficial francês uma série de recomentações aos professores das escolas do ensino fundamental do país. Aplicação de ditado e exercícios diários de matemática fazem parte das medidas. Porém, os professores, que não foram consultados previamente, contestam os métodos do governo.  

 

Além dos ditados e dos testes com cálculos feitos “de cabeça”, o texto, intitulado “Guia para ensinar a leitura e a escrita”, também prevê que, a cada ano do ensino fundamental, entre cinco e dez livros sejam estudados na sala de aula. O governo afirma que o objetivo é melhorar os resultados dos alunos pois, segundo estudos recentes, 40% dos estudantes não alcançam os objetivos esperados no final do programa CM2 (quando as crianças têm entre 10 e 11 anos).

A obrigatoriedade do ditado, que já havia sido proposta em 2015 pela então ministra da Educação Najat Vallaud-Belkacem, é uma das medidas que mais chama a atenção, tendo sido muito comentada nas redes sociais desde que as recomendações foram divulgadas. Como o francês é uma língua repleta de particularidades (como consoantes e vogais que se repetem e acentos que podem mudar o gênero do sujeitou ou até o sentido das frases), os exercícios de escrita estão entre os mais temidos pelos pequenos franceses.

Mas o que mais está provocando polêmica não é o conteúdo do texto, e sim a maneira como as recomendações foram divulgadas. Afinal, o documento de 130 páginas foi publicado e enviado por email aos professores, que descobriram as recomendações praticamente junto com o restante da população.

Os sindicatos de professores criticam a falta de diálogo e afirmam que o ministro estaria impondo uma espécie de uniformização, que não correspondem ao dia-a-dia das salas de aula, já que esses métodos não funcionariam em todas as classes. O governo afirma que seu objetivo é que todos tenham acesso ao mesmo tipo de ensino.

Ministro quer ensinar a dar aula

Mesmo se o documento enviado pelo ministério é apresentado apenas como uma série de “recomendações”, o próprio ministro frisou que as medidas deveriam ser vistas como um “texto nacional de referência” a ser seguido. O guia é tão detalhado que indica até o formato dos cadernos usados (modelos com folhas quadriculadas, de 17x22).

Para os professores, Blanquer prentende “ensiná-los a dar aula” e que o método tiraria a liberdade dos profissionais. Diante das críticas, o ministro, que antes de assumir o cargo dirigia uma das principais escolas de administração de empresas da França, respondeu que “a liberdade pedagógica nunca foi sinônimo de anarquia pedagógica”.

O episódio chama a atenção para um aspecto que vem sendo frequentemente apontado pelos opositores do presidente Emmanuel Macron: o fato de que seu governo multiplica os anúncios de reformas com pouco ou nenhum tipo de consulta, reforçando a ideia de um chefe de Estado autoritário. É o caso da recente das mudanças no serviço público ferroviário ou ainda do acesso às universidades, que vem provocando greves e protestos.

Uma grande manifestação é prevista no dia 5 de maio em Paris para contestar a política do presidente. Além dos estudantes universitários e dos funcionários do setor ferroviário, há fortes chances de que os professores do ensino fundamental se unam ao cortejo.  

Associações propõem que políticos franceses vivam 15 dias “na pele de um pobre”

Humoristas francesas de stand up dão novo fôlego às causas feministas

Francês se aposenta com 62 anos, mas contribui 40 anos para receber a metade do que ganhava na ativa

Incêndios na mesma semana em CT do Flamengo e Paris levantam questões de segurança

Prostituição: Conselho Constitucional da França valida lei que pune clientes

“Coletes amarelos”: Macron organiza debates com franceses e reconquista popularidade

Depredação de radares vira "basta" a suposta "indústria da multa" na França

Fracasso de “Passe Livre” em Paris levanta debate sobre transporte gratuito nas metrópoles

Franceses enfrentam 2019 com imposto retido na fonte e multiplicação de movimentos sociais

Paris mantém magia de Natal em meio à crise social dos "coletes amarelos"

Segurança reforçada na França para 5° fim de semana de protestos dos “coletes amarelos”

Manifestação de "coletes amarelos" fecha lojas, museus e cancela eventos em Paris

Movimento dos “coletes amarelos” contesta fim de imposto para os mais ricos na França

Ongs francesas convocam boicote à Black Friday e propõem "sexta-feira verde"

Movimento dos “coletes amarelos” une extrema direita e esquerda radical na França

Cemitérios parisienses são ricos em história, cultura e biodiversidade