rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Festival França Cultura Cinema Filme Animação Brasil Annecy

Publicado em • Modificado em

Exposição comemora 100 anos da animação brasileira no Festival de Annecy, na França

media
As 12 lâminas espalhadas pelo jardim do Centro Bonlieu, em Annecy, no sudeste da França, antecipam os preparativos para a grande mostra comemorativa dos 100 anos da animação brasileira, preparada pela Associação Brasileira do Cinema de Animação (ABCA). RFI/Marcia Bechara

A mostra “Brasil Quadro a Quadro – 100 anos da animação brasileira”, composta por 12 lâminas com imagens e textos sobre criações de animadores brasileiros, foi inaugurada na segunda-feira (11) com a presença do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o embaixador do Brasil na França, Paulo César de Oliveira Campos, o presidente da Ancine, Christian de Castro Oliveira, e pelo presidente do Festival de Annecy, Dominique Puthod.


Enviada especial a Annecy

Idealizada pela Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA), a exposição conta com o patrocínio do Ministério da Cultura e apresenta na França uma versão resumida da mostra completa, que tem com o apoio institucional da Apex e do BNDES. Posteriormente, a versão ampliada percorrerá cinco capitais brasileiras, com datas previstas em novembro de 2018, segundo a diretora da ABCA, Letícia Friedrich.

Em cartaz nos jardins do centro Bonlieu, no coração do Festival de Annecy, a exposição uma linha do tempo da história da animação no país, desde o primeiro curta ("O Kaiser", de janeiro de 1917) até os curtas, longas e séries mais recentes. Durante o percurso, o visitante é informado sobre os movimentos, artistas e suas obras mais relevantes da produção de animação brasileira nos últimos cem anos.

A mostra “Brasil Quadro a Quadro – 100 anos da animação brasileira”, inaugurada em Annecy, na França, terá uma versão ampliada no Brasil. Divulgação

A exposição tem direção artística de Andrés Lieban e curadoria de Arnaldo Galvão, Diego Akel e Marcos Magalhães. Segundo Lieban, a animação brasileira vem conquistando um espaço crescente nas mais diferentes plataformas mundiais e a mostra seria uma "resposta ao mercado internacional". "Estamos colhendo os frutos de uma longa história, com dezenas de protagonistas e centenas, milhares de quadros", diz o diretor.

Animações brasileiras de todas as épocas

No desfile das telas, o visitante francês ou estrangeiro toma contato com animações e artistas brasileiros de diferentes épocas, como "Sinfonia Amazônia", de 1953, de Amélio Latini Filho; "Boi Aruá", de 1984, de Chico Liberato, além de "O menino e o mundo", de 2014, de Alê Abreu, e "Guida", de Rosana Urbes,  vencedores do Festival de Annecy respectivamente em 2014 e 2015, e "O projeto de meu pai", da artista Rosaria, produção de 2016.

Durante a abertura da exposição, o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, ressaltou a importância da animação que "vem ganhando cada vez mais espaço" dentro do audiovisual brasileiro. "É um segmento que vive um momento excelente no país e tem possibilidade de crescer muito ainda", afirmou.

"A animação é antes de tudo criatividade, uma arte industrial que funciona a partir da criatividade individual. Essa homenagem à animação brasileira mostra a capacidade dos artistas brasileiros de criarem usando novas tecnologias", destacou em Annecy o embaixador do Brasil na França, Paulo César de Oliveira Campos, durante a abertura da mostra.

Na ocasião também foi lançado o livro “Animação Brasileira: 100 Filmes Essenciais”, produzido pela ABRACCINE, a Associação Brasileira dos Críticos de Cinema, em parceria com a ABCA.