rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

Por Márcia Bechara

O ministro da Cultura, Sérgio Sérgio Sá Leitão, é o convidado desta terça-feira (12) do RFI Convida. Direto do Festival Internacional do Filme de Animação de Annecy, onde o Brasil é o país homenageado em 2018, ele falou sobre os novos investimentos para o setor do Audiovisual e dos projetos da pasta que comanda para setores como patrimônio e cultura popular.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na imagem acima

“Temos uma nova política para o Audiovisual no Brasil”, anunciou o ministro Sérgio Sá Leitão. “Estamos em 2018 fazendo um investimento recorde no setor audiovisual brasileiro, com RS$ 1,3 bilhão para diversas linhas de investimento. A animação é um segmento que vive um momento excelente no Brasil e tem condições de crescer muito”, disse.

O ministro ressaltou o peso econômico das diferentes “indústrias criativas do Audiovisual”. “São vetores do desenvolvimento do nosso país. Este setor já responde por 2,64% do nosso produto interno bruto e corresponde a mais de um milhão de empregos, mais de 200 mil empresas com um crescimento médio anual nos últimos cinco anos de 9,1% ao ano, uma taxa de crescimento chinesa”, ressaltou, mesmo em período de “recessão econômica”, disse, referindo-se a 2015 e 2016.

Sobre o espaço para experimentação e a inovação artística, Sérgio Sá Leitão garantiu que se preocupa em promover um “equilíbrio” no “ecossistema complexo” do audiovisual. “Considero muito importante que haja investimento e espaço para a produção mais autoral, isso tem seu papel, assim como também a produção mais comercial. Nossa visão é que é necessário um equilíbrio entre estes diversos agentes para que o ecossistema possa se desenvolver plenamente”, pontuou. O principal “drive” de fomento continua sendo o Fundo Setorial do Audiovisual, afirmou o ministro.

Outros setores da cultura brasileira somados possuem praticamente o orçamento destinado ao segmento audiovisual

“No caso das demais manifestações e expressões artísticas que não o audiovisual, nosso principal instrumento de fomento é a Lei Federal de Incentivo à Cultura, que é a Lei Rouanet. Temos RS$ 1,4 bilhão para investir este ano em projetos culturais de todas as áreas”, detalhou, acrescentando que existem iniciativas “complementares”.

“O Prêmio de Culturas Populares é voltado para mestres, mestras, associações e entidades que mantêm vivas as tradições populares da cultura brasileira. Temos um investimento recorde para esse prêmio em 2018, de R$ 10 milhões”, disse. “Estamos para lançar um prêmio também para mostras, feiras e festas literárias, que promovem o acesso ao livro e à leitura, além de um prêmio destinado à modernização de museus. Além disso, estamos investindo este ano R$ 168 milhões na restauração do patrimônio histórico brasileiro”, completou.

“Tudo que é feito na cultura que não é apenas para prazer e deleite individual tem valor econômico”, ressaltou Sá Leitão. “O que caracteriza a cultura e a criatividade como atividades econômicas é justamente o duplo valor, o valor simbólico e o econômico”, frisou o ministro.

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae

Livro de brasileira radicada em Paris desmistifica glamour da capital francesa

Especialista da FAO alerta para contaminação do Aquífero Guarani no Brasil

Militares são os maiores defensores da Amazônia, diz novo embaixador do Brasil na França

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”