rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

Por Márcia Bechara

O ministro da Cultura, Sérgio Sérgio Sá Leitão, é o convidado desta terça-feira (12) do RFI Convida. Direto do Festival Internacional do Filme de Animação de Annecy, onde o Brasil é o país homenageado em 2018, ele falou sobre os novos investimentos para o setor do Audiovisual e dos projetos da pasta que comanda para setores como patrimônio e cultura popular.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na imagem acima

“Temos uma nova política para o Audiovisual no Brasil”, anunciou o ministro Sérgio Sá Leitão. “Estamos em 2018 fazendo um investimento recorde no setor audiovisual brasileiro, com RS$ 1,3 bilhão para diversas linhas de investimento. A animação é um segmento que vive um momento excelente no Brasil e tem condições de crescer muito”, disse.

O ministro ressaltou o peso econômico das diferentes “indústrias criativas do Audiovisual”. “São vetores do desenvolvimento do nosso país. Este setor já responde por 2,64% do nosso produto interno bruto e corresponde a mais de um milhão de empregos, mais de 200 mil empresas com um crescimento médio anual nos últimos cinco anos de 9,1% ao ano, uma taxa de crescimento chinesa”, ressaltou, mesmo em período de “recessão econômica”, disse, referindo-se a 2015 e 2016.

Sobre o espaço para experimentação e a inovação artística, Sérgio Sá Leitão garantiu que se preocupa em promover um “equilíbrio” no “ecossistema complexo” do audiovisual. “Considero muito importante que haja investimento e espaço para a produção mais autoral, isso tem seu papel, assim como também a produção mais comercial. Nossa visão é que é necessário um equilíbrio entre estes diversos agentes para que o ecossistema possa se desenvolver plenamente”, pontuou. O principal “drive” de fomento continua sendo o Fundo Setorial do Audiovisual, afirmou o ministro.

Outros setores da cultura brasileira somados possuem praticamente o orçamento destinado ao segmento audiovisual

“No caso das demais manifestações e expressões artísticas que não o audiovisual, nosso principal instrumento de fomento é a Lei Federal de Incentivo à Cultura, que é a Lei Rouanet. Temos RS$ 1,4 bilhão para investir este ano em projetos culturais de todas as áreas”, detalhou, acrescentando que existem iniciativas “complementares”.

“O Prêmio de Culturas Populares é voltado para mestres, mestras, associações e entidades que mantêm vivas as tradições populares da cultura brasileira. Temos um investimento recorde para esse prêmio em 2018, de R$ 10 milhões”, disse. “Estamos para lançar um prêmio também para mostras, feiras e festas literárias, que promovem o acesso ao livro e à leitura, além de um prêmio destinado à modernização de museus. Além disso, estamos investindo este ano R$ 168 milhões na restauração do patrimônio histórico brasileiro”, completou.

“Tudo que é feito na cultura que não é apenas para prazer e deleite individual tem valor econômico”, ressaltou Sá Leitão. “O que caracteriza a cultura e a criatividade como atividades econômicas é justamente o duplo valor, o valor simbólico e o econômico”, frisou o ministro.

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco