rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

Por Márcia Bechara

O ministro da Cultura, Sérgio Sérgio Sá Leitão, é o convidado desta terça-feira (12) do RFI Convida. Direto do Festival Internacional do Filme de Animação de Annecy, onde o Brasil é o país homenageado em 2018, ele falou sobre os novos investimentos para o setor do Audiovisual e dos projetos da pasta que comanda para setores como patrimônio e cultura popular.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na imagem acima

“Temos uma nova política para o Audiovisual no Brasil”, anunciou o ministro Sérgio Sá Leitão. “Estamos em 2018 fazendo um investimento recorde no setor audiovisual brasileiro, com RS$ 1,3 bilhão para diversas linhas de investimento. A animação é um segmento que vive um momento excelente no Brasil e tem condições de crescer muito”, disse.

O ministro ressaltou o peso econômico das diferentes “indústrias criativas do Audiovisual”. “São vetores do desenvolvimento do nosso país. Este setor já responde por 2,64% do nosso produto interno bruto e corresponde a mais de um milhão de empregos, mais de 200 mil empresas com um crescimento médio anual nos últimos cinco anos de 9,1% ao ano, uma taxa de crescimento chinesa”, ressaltou, mesmo em período de “recessão econômica”, disse, referindo-se a 2015 e 2016.

Sobre o espaço para experimentação e a inovação artística, Sérgio Sá Leitão garantiu que se preocupa em promover um “equilíbrio” no “ecossistema complexo” do audiovisual. “Considero muito importante que haja investimento e espaço para a produção mais autoral, isso tem seu papel, assim como também a produção mais comercial. Nossa visão é que é necessário um equilíbrio entre estes diversos agentes para que o ecossistema possa se desenvolver plenamente”, pontuou. O principal “drive” de fomento continua sendo o Fundo Setorial do Audiovisual, afirmou o ministro.

Outros setores da cultura brasileira somados possuem praticamente o orçamento destinado ao segmento audiovisual

“No caso das demais manifestações e expressões artísticas que não o audiovisual, nosso principal instrumento de fomento é a Lei Federal de Incentivo à Cultura, que é a Lei Rouanet. Temos RS$ 1,4 bilhão para investir este ano em projetos culturais de todas as áreas”, detalhou, acrescentando que existem iniciativas “complementares”.

“O Prêmio de Culturas Populares é voltado para mestres, mestras, associações e entidades que mantêm vivas as tradições populares da cultura brasileira. Temos um investimento recorde para esse prêmio em 2018, de R$ 10 milhões”, disse. “Estamos para lançar um prêmio também para mostras, feiras e festas literárias, que promovem o acesso ao livro e à leitura, além de um prêmio destinado à modernização de museus. Além disso, estamos investindo este ano R$ 168 milhões na restauração do patrimônio histórico brasileiro”, completou.

“Tudo que é feito na cultura que não é apenas para prazer e deleite individual tem valor econômico”, ressaltou Sá Leitão. “O que caracteriza a cultura e a criatividade como atividades econômicas é justamente o duplo valor, o valor simbólico e o econômico”, frisou o ministro.

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil

Jornalista brasileiro Fernando Molica lança em Paris livro sobre racismo e violência policial

"O choro é talvez o gênero mais autenticamente brasileiro", diz especialista

Mulheres do Brasil em Paris cria comitê para apoiar brasileiras vítimas da violência na França

Descartar mandante do crime seria insulto, diz viúva de Marielle Franco

“Estamos revivendo a ditadura no Brasil”, diz documentarista de filme sobre rebelião contra colonização francesa em Madagascar

Primavera Literária de 2019 lança discussões sobre o Brasil e o futuro da literatura

“Muitas pessoas achavam que mulheres só eram capazes de pintar florzinhas ou eram as namoradas dos grafiteiros”, diz street artist Panmela Castro

Apresentador do Catfish Brasil, Ciro Sales diz ser consciente da responsabilidade de ter seguidores nas redes sociais

Associação Herança Brasileira ajuda desenvolvimento de crianças bilíngues em Paris

“Maconha pode ser auxílio e não algoz”, diz neurocirurgião à frente de portal sobre uso medicinal da cannabis no Brasil

“Postura do governo brasileiro sobre crise na Venezuela é a pior possível”, diz professor da UnB

"Qualquer um é melhor que Bolsonaro", diz José de Abreu, que se "autoproclamou" presidente do Brasil no Twitter

“Temos que colocar o ministro da Educação no eixo”, diz presidente da Ubes

“No Brasil, há uma tendência a encobrir escândalos sexuais”, diz membro do comitê que discute pedofilia na Igreja

"Ataques a povos indígenas é suicídio cultural”, diz geógrafo francês