rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Festival Annecy Animação Brasil Cinema

Publicado em • Modificado em

Brasil leva dois prêmios no Festival Internacional de Animação de Annecy

media
O diretor Mateus de Paula Santos recebe o Cristal de melhor filme produzido para a TV, "Leica - Everything in Black and White" durante a cerimônia de premiação do 42° Festival de Animação de Annecy, no sudeste da França, em 17 de junho de 2018. G. Piel/CITIA

Terminou neste sábado (16) o Festival Internacional de Animação de Annecy, considerado o maior festival do gênero no mundo. O Brasil foi o país homenageado nesta 42ª edição do evento, e os criadores brasileiros não voltaram de mãos vazias para casa. Rodrigo Faustini levou o Cristal de melhor curta-metragem na categoria Off Limits com "Garoto Transcodificado a partir de Fosfeno". Na categoria de filmes produzidos para a TV, Mateus de Paula Santos levou o prêmio por "Leica - Everything in Black and White".
 


Também na competição oficial e muito aclamado pelo público presente em Annecy, "Funan", filme desenhado à mão, cuja temática explora a vida de uma família sob o regime do Khmer Vermelho, no Camboja, de Denis Do, levou o Cristal de melhor longa-metragem da edição 2018 do festival, uma co-produção entre estúdios do Camboja, França e Luxemburgo.

O curta-metragem do estúdio Lunanime, "Bloeistraat 11", de Nienke Deutz, co-produzido com a Holanda, premiado com o Cristal de melhor curta-metragem, traz um retrato delicado da puberdade, retratando duas melhores amigas cuja relação se torna tensa quando seus corpos começam a mudar e elas começam a explorar a sexualidade.

Num festival marcado pelo prisma político das produções na competição oficial, o prêmio do Júri de melhor longa-metragem contemplou "Parvana", uma espécie de fábula contemporânea sobre a emancipação das mulheres e da força da imaginação contra a opressão.

Sob o regime talibã, o filme de animação de Nora Twomey conta a história de Parvana, de onze anos, uma menina que cresceu em uma Cabul devastada pela guerra no Afeganistão. Ela gosta de ouvir histórias contadas a seu pai, mas, um dia, ele é preso, e a vida de Parvana muda tragicamente para sempre. Sem estar acompanhada de um homem, ela não pode trabalhar ou até comprar comida. Parvana então decide cortar o cabelo e se disfarçar de menino para ajudar sua família. Arriscando-se a qualquer momento ser desmascarada, ela continua determinada a encontrar uma maneira de salvar seu pai.

Durante a cerimônia de premiação, o diretor do festival de Annecy, Patrick Eveno, anunciou que a animação japonesa será a grande homenageada da edição 2019 do Festival de Annecy.