rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Meio Ambiente
rss itunes

Geladeira solidária, mercado de produtos “feios”: novas armas contra o desperdício

Por Lúcia Müzell

O reaproveitamento dos alimentos entrou para ficar na agenda política e cidadã de países como a França. Tradicionalmente adotado por associações caritativas, o combate contra o desperdício ganha ares de “modinha”, com o comércio crescente de alimentos com aparência diferente ou cuja data de validade esteja próxima do fim. Outra proposta que se desenvolve são as geladeiras solidárias, instaladas na rua e nas quais as pessoas depositam alimentos que desejam doar.

Em Paris, três refrigeradores recebem diariamente as doações de habitantes – principalmente os que partem de férias e não sabem o que fazer com a comida que vai estragar durante a ausência. Entretanto, são os próprios mercados e restaurantes que depositam as quantidades mais expressivas de alimentos.

“A prática das doações alimentares sempre foi meio tabu na França – tanto entre os que precisam delas, quanto entre os potenciais doadores, que não têm o hábito de olhar regularmente em casa para ver o que está perto de vencer. Mas estamos quebrando esse gelo”, relata Jean-Christophe Taghavi, cofundador da associação Cap ou Pas Cap, que promove a instalação dessas geladeiras em todo o país. “Por enquanto, as doações das pessoas comuns ainda não bastam para abastecer uma geladeira solidária.”

Para estimular as doações, os refrigeradores têm sido instalados preferencialmente na frente de um mercado. Taghavi conta que um deles, por exemplo, coloca 300 quilos de alimentos por mês à disposição de quem quiser se servir. Em comum nos locais de doação, os gerentes perceberam que as pessoas que mais recorrem à ajuda são pobres ou sem-teto que costumavam revirar as latas de lixo dos estabelecimentos, ao fim do dia.

“Progressivamente, os clientes que costumam frequentar o mercado conhecem a iniciativa e adquirem o hábito de trazer de casa a sua parte, quando vão fazer as compras”, afirma.

Comprar produtos “feios” é cada vez mais normal

Há cinco anos, o governo francês se comprometeu a diminuir pela metade o desperdício de alimentos até 2025. Em 2013, os parisienses jogavam fora 59 mil toneladas de alimentos ainda embalados e próprios para o consumo, ou seja, 26 quilos por pessoa.

Desde então, proliferam as iniciativas de venda de produtos atípicos, como uma cenoura torta, uma garrafa de leite deformada ou um iogurte a dois dias da data de validade. A diferença é que, agora, essas mercadorias não ocupam mais uma pequena seção no supermercado: estabelecimento que oferecem exclusivamente esse tipo de alimento estão abrindo na França. É o caso do Nous (“nós”, em francês), que recolhe os produtos preteridos em outros mercados. O local foi aberto por uma dupla de franceses – um deles, Vincent Justin, trabalhava no setor de luxo, quando decidiu abandonar tudo e dar um novo sentido à carreira.  

“O nosso supermercado oferece aqueles produtos que não têm uma forma e nem uma estética maravilhosas: eles não são os reis da beleza que encontramos no varejo, e é por isso nós os vendemos mais barato”, explica Justin. “Todo mundo ganha: o produtor e o cliente – que descobre uma nova maneira de consumir. Ele dá um sentido à compra, ao participar do combate ao desperdício.”

Estudantes franceses propõem canudos de amido de milho como alternativa ao plástico

Cidadãos franceses contribuem como observadores para pesquisas sobre preservação das espécies

Animais silvestres são vendidos facilmente pela internet a clientes europeus

Descoberta de “corais da Amazônia” na Guiana Francesa amplia pressão contra projeto da Total

Passeio de balão em Paris alia turismo e consciência sobre a poluição

Aldeias pré-coloniais indicam maior ocupação da Amazônia antes do descobrimento

Reciclagem da água em escola pública de Brasília é destaque no Fórum Mundial

Paris: Fim do tráfego nas marginais do Sena tem impacto limitado na poluição