rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Um pulo em Paris
rss itunes

Autolib': Paris abandona locação de carros elétricos e adota patinetes

Por Silvano Mendes

Após quase sete anos em atividade, Paris se prepara para aposentar o Autolib', serviço de locação de carros elétricos, considerado inviável financeiramente. Ao mesmo tempo, a cidade começa a receber as primeiras patinetes elétricas alugáveis, sistema popularizado nos Estados Unidos e que tenta conquistar a Europa.

Inspirado no modelo do Velib', as bicicletas de locação parisienses copiadas pelo mundo, o Autolib' é um sistema que propõe cerca de 4 mil carros na capital francesa e redondezas. O dispositivo permite aos moradores habilitados alugar um veículo em um ponto da cidade, em estações adaptadas, e deixá-lo em outro ponto. Mais barato que serviços como Uber ou taxis, o Autolib' foi rapidamente adotado pelos parisienses que precisam eventualmente de um carro mas não querem ou não podem ter um.

O projeto foi implementado pela empresa francesa Bolloré, gigante do transporte, logística e comunicação, que tem a concessão da prefeitura de Paris para explorar o serviço até 2023. No entanto, há algum tempo o grupo alerta para o custo do serviço, que seria cada vez menos rentável.

Autolib foi adotado por parte da população, mas projeto não alcançou rentabilidade. Reuters

Apesar dos cerca de 100 mil usuários inscritos, os gastos com manutenção (higienização, reparação, etc) teriam gerado, segundo a Bolloré, prejuízo de mais de € 200 milhões até o final do contrato. Além disso, o número de veículos vandalizados ou arrombados durante a noite por moradores de rua em busca de um teto não para de crescer. Diante da situação, desde maio a empresa exige que a administração pública pague o prejuízo. A prefeitura se recusou e anunciou a rescisão do contrato nesta quinta-feira (22).

Cerca de 250 pessoas trabalham no Autolib', entre manutenção e atendimento ao cliente. Bolloré afirma que vai recolocá-las em vagas dentro do grupo, mas não deu nenhum prazo.

Já a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, diz estar em contato com outras empresas para encontrar um substituto para o Autolib'.

Ir ao trabalho de patinete

Coincidência ou não do calendário, nesta sexta-feira (22) começam a circular em Paris as primeiras patinetes elétricas de locação. O serviço, que já existe nos Estados Unidos, é implementado na capital francesa pela empresa Lime, que também se instala aos poucos na Alemanha e na Suíça.

As cerca de 100 patinetes de teste têm autonomia de bateria para rodar até 50km e velocidade limitada a 24 km/h. Um trajeto custa, em média, entre €2 e €3.

O único problema é a questão da segurança e da legislação, pois como não são considerados veículos motorizados, teoricamente não precisam respeitar o código do trânsito. Mas o exemplo de São Francisco mostrou que além de perturbarem a circulação, as patinetes podem ser perigosas se usadas de forma imprudente, nas ruas ou nas calçadas. A prefeitura da cidade californiana, aliás, já está mudando sua legislação para proteger tanto os “pilotos” quanto os pedestres.

Secador de cabelo de ouro e jantares de rei: ministro francês nega abusos e permanece no cargo

Hipódromo cria novas atrações e conquista público diversificado em Paris

Festa da Música mostra a grande diversidade de músicos profissionais e amadores franceses

Empresas francesas têm comprado silêncio de mulheres que denunciam casos de assédio

Festival de Cannes questiona limites da arte com filme que beira pornografia

Macron e Zuckerberg afinam projeto de regulamentação das redes sociais

França tenta regulamentar uso de patinetes elétricas para evitar acidentes

Incêndio em Notre-Dame levanta debate sobre preservação do patrimônio na França

França registra criação de empregos, mas "coletes amarelos" mantêm protestos

Pirâmide do Louvre comemora 30 anos com instalação do artista urbano JR

França se prepara para possível ação de black blocs durante 19° ato dos “coletes amarelos”

Associações propõem que políticos franceses vivam 15 dias “na pele de um pobre”

Humoristas francesas de stand up dão novo fôlego às causas feministas