rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'

Por Márcia Bechara

Foram lançados na França, Bélgica e Suíça os dois primeiros de uma série de três livros da revista em quadrinhos da Turma da Mônica com o personagem “Neymar Jr”, criada por Maurício de Souza em 2013 para homenagear o jogador de futebol.  A série traz o título "Les aventures de Neymar Jr" ("As aventuras de Neymar Jr", em português) e o primeiro volume foi lançado em junho na Europa. Os livros já estão disponíveis em livrarias, supermercados e plataformas virtuais para o público de língua francesa. O segundo volume em francês sobre o craque brasileiro saiu em 11 de julho, na reta final da Copa do Mundo. O RFI Convida hoje a tradutora dos quadrinhos de Neymar Jr, a francesa, de origem portuguesa, Nathalia Ferreira.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima

A tradutora conta que teve que adaptar a linguagem dos quadrinhos brasileiros com Neymar Jr para  o contexto francês. "Tive que fazer isso às vezes, a tradução é um exercício desafiador. Temos que ficar atentos ao espírito do próprio texto e às diferenças da língua portuguesa entre Brasil e Portugal", relata.

"São personagens novas, jovens, e a tradução implica num conhecimento prévio da cultura francesa, para tentar manter o espírito dos quadrinhos brasileiros", explica Nathalia. "Por exemplo, no trato entre as personagens, até mesmo nas pequenas expressões utlizadas nos diálogos, menos formais, tive que adaptar um pouco a linguagem oral para o contexto francês", diz a tradutora.

"O desafio é manter o aspecto genuíno da língua de origem e ao mesmo tempo alcançar uma sinceridade e transparência, que fique natural na língua traduzida [o francês]", conta Nathalia, que traduziu também o livro "Conversas com meu pai", de Neymar, quando se aproximou do português do Brasil.

Maurício de Souza, autor da série, tem um histórico de sucesso com personagens ligados ao mundo do futebol. Em 1977 lançou o Pelezinho, que conquistou leitores em todo o mundo, e foi publicado até 1986. Nathalia explica que não teve dificuldade ao encarar a tradução para o francês dentro deste contexto, porque "adora futebol".

"Acompanho o futebol português, brasileiro e francês. Nasci na França, onde morei 21 anos. Eu me sinto à vontade com as personalidades do futebol, que acompanho. Meu filho adorou o livro do Neymar Jr, ele que joga futebol. Acho que as crianças vão adorar ver o Neymar numa situação tão humana e tão próxima da realidade deles", afirma a tradutora.

As aventuras de Neymar Reprodução

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Apesar dos retrocessos no país, literatura brasileira vive um bom momento, avalia Henrique Rodrigues

“Literatura LGBT não deve virar rótulo”, diz escritora Cristina Judar em Paris

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil

Jornalista brasileiro Fernando Molica lança em Paris livro sobre racismo e violência policial

"O choro é talvez o gênero mais autenticamente brasileiro", diz especialista

Mulheres do Brasil em Paris cria comitê para apoiar brasileiras vítimas da violência na França

Descartar mandante do crime seria insulto, diz viúva de Marielle Franco

“Estamos revivendo a ditadura no Brasil”, diz documentarista de filme sobre rebelião contra colonização francesa em Madagascar

Primavera Literária de 2019 lança discussões sobre o Brasil e o futuro da literatura

“Muitas pessoas achavam que mulheres só eram capazes de pintar florzinhas ou eram as namoradas dos grafiteiros”, diz street artist Panmela Castro

Apresentador do Catfish Brasil, Ciro Sales diz ser consciente da responsabilidade de ter seguidores nas redes sociais

Associação Herança Brasileira ajuda desenvolvimento de crianças bilíngues em Paris

“Maconha pode ser auxílio e não algoz”, diz neurocirurgião à frente de portal sobre uso medicinal da cannabis no Brasil

“Postura do governo brasileiro sobre crise na Venezuela é a pior possível”, diz professor da UnB

"Qualquer um é melhor que Bolsonaro", diz José de Abreu, que se "autoproclamou" presidente do Brasil no Twitter

“Temos que colocar o ministro da Educação no eixo”, diz presidente da Ubes

“No Brasil, há uma tendência a encobrir escândalos sexuais”, diz membro do comitê que discute pedofilia na Igreja