rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'

Por Márcia Bechara

Foram lançados na França, Bélgica e Suíça os dois primeiros de uma série de três livros da revista em quadrinhos da Turma da Mônica com o personagem “Neymar Jr”, criada por Maurício de Souza em 2013 para homenagear o jogador de futebol.  A série traz o título "Les aventures de Neymar Jr" ("As aventuras de Neymar Jr", em português) e o primeiro volume foi lançado em junho na Europa. Os livros já estão disponíveis em livrarias, supermercados e plataformas virtuais para o público de língua francesa. O segundo volume em francês sobre o craque brasileiro saiu em 11 de julho, na reta final da Copa do Mundo. O RFI Convida hoje a tradutora dos quadrinhos de Neymar Jr, a francesa, de origem portuguesa, Nathalia Ferreira.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima

A tradutora conta que teve que adaptar a linguagem dos quadrinhos brasileiros com Neymar Jr para  o contexto francês. "Tive que fazer isso às vezes, a tradução é um exercício desafiador. Temos que ficar atentos ao espírito do próprio texto e às diferenças da língua portuguesa entre Brasil e Portugal", relata.

"São personagens novas, jovens, e a tradução implica num conhecimento prévio da cultura francesa, para tentar manter o espírito dos quadrinhos brasileiros", explica Nathalia. "Por exemplo, no trato entre as personagens, até mesmo nas pequenas expressões utlizadas nos diálogos, menos formais, tive que adaptar um pouco a linguagem oral para o contexto francês", diz a tradutora.

"O desafio é manter o aspecto genuíno da língua de origem e ao mesmo tempo alcançar uma sinceridade e transparência, que fique natural na língua traduzida [o francês]", conta Nathalia, que traduziu também o livro "Conversas com meu pai", de Neymar, quando se aproximou do português do Brasil.

Maurício de Souza, autor da série, tem um histórico de sucesso com personagens ligados ao mundo do futebol. Em 1977 lançou o Pelezinho, que conquistou leitores em todo o mundo, e foi publicado até 1986. Nathalia explica que não teve dificuldade ao encarar a tradução para o francês dentro deste contexto, porque "adora futebol".

"Acompanho o futebol português, brasileiro e francês. Nasci na França, onde morei 21 anos. Eu me sinto à vontade com as personalidades do futebol, que acompanho. Meu filho adorou o livro do Neymar Jr, ele que joga futebol. Acho que as crianças vão adorar ver o Neymar numa situação tão humana e tão próxima da realidade deles", afirma a tradutora.

As aventuras de Neymar Reprodução

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna

Decreto de Bolsonaro sobre armas trará mais violência, alerta Instituto Sou da Paz

"Bolsonaro afeta a imagem do Brasil", diz Fernando Henrique Cardoso em Paris

“Bolívia deu uma lição de moral no Brasil ao extraditar Battisti”, diz ex-deputada ítalo-brasileira

“Passamos 80% do nosso tempo negociando”, diz criador de novo método de negociação e gestão de conflito

Brasil será interlocutor dos EUA nas relações com Maduro, aponta pesquisador

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Pianista brasileiro investe no Tango para seu primeiro concerto parisiense

“Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

"Congresso muito fragmentado será obstáculo para governo Bolsonaro", diz professor da UERJ

“Bolsonaro começa mandato pressionado e tem três meses para mostrar a que veio”, diz especialista em economia.

Autora brasileira radicada na França lança livro de memórias de viagens na Amazônia

"Intervenção federal no RJ também foi marcada pela falta de transparência e respostas sobre violações", diz coordenador de Observatório

Direitos Humanos no Brasil: perspectivas para 2019 são preocupantes, diz advogada da OAB

“Postura de Bolsonaro com a imprensa tem inspiração autoritária”, diz Eugênio Bucci