rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'

Por Márcia Bechara

Foram lançados na França, Bélgica e Suíça os dois primeiros de uma série de três livros da revista em quadrinhos da Turma da Mônica com o personagem “Neymar Jr”, criada por Maurício de Souza em 2013 para homenagear o jogador de futebol.  A série traz o título "Les aventures de Neymar Jr" ("As aventuras de Neymar Jr", em português) e o primeiro volume foi lançado em junho na Europa. Os livros já estão disponíveis em livrarias, supermercados e plataformas virtuais para o público de língua francesa. O segundo volume em francês sobre o craque brasileiro saiu em 11 de julho, na reta final da Copa do Mundo. O RFI Convida hoje a tradutora dos quadrinhos de Neymar Jr, a francesa, de origem portuguesa, Nathalia Ferreira.

*Para ouvir a entrevista na íntegra, clique na foto acima

A tradutora conta que teve que adaptar a linguagem dos quadrinhos brasileiros com Neymar Jr para  o contexto francês. "Tive que fazer isso às vezes, a tradução é um exercício desafiador. Temos que ficar atentos ao espírito do próprio texto e às diferenças da língua portuguesa entre Brasil e Portugal", relata.

"São personagens novas, jovens, e a tradução implica num conhecimento prévio da cultura francesa, para tentar manter o espírito dos quadrinhos brasileiros", explica Nathalia. "Por exemplo, no trato entre as personagens, até mesmo nas pequenas expressões utlizadas nos diálogos, menos formais, tive que adaptar um pouco a linguagem oral para o contexto francês", diz a tradutora.

"O desafio é manter o aspecto genuíno da língua de origem e ao mesmo tempo alcançar uma sinceridade e transparência, que fique natural na língua traduzida [o francês]", conta Nathalia, que traduziu também o livro "Conversas com meu pai", de Neymar, quando se aproximou do português do Brasil.

Maurício de Souza, autor da série, tem um histórico de sucesso com personagens ligados ao mundo do futebol. Em 1977 lançou o Pelezinho, que conquistou leitores em todo o mundo, e foi publicado até 1986. Nathalia explica que não teve dificuldade ao encarar a tradução para o francês dentro deste contexto, porque "adora futebol".

"Acompanho o futebol português, brasileiro e francês. Nasci na França, onde morei 21 anos. Eu me sinto à vontade com as personalidades do futebol, que acompanho. Meu filho adorou o livro do Neymar Jr, ele que joga futebol. Acho que as crianças vão adorar ver o Neymar numa situação tão humana e tão próxima da realidade deles", afirma a tradutora.

As aventuras de Neymar Reprodução

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura

Vik Muniz: “Depois do modernismo, virou tabu falar de religião em arte”

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora