rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Hamilton de Holanda faz nova turnê na Europa

Por Maria Paula Carvalho

Ele é conhecido na imprensa francesa como o “Príncipe do Bandolim”. No Brasil, ele é o Rei. Hamilton de Holanda está em turnê internacional: o artista faz show nesta quinta-feira (26), na Córsega, antes de seguir para a Inglaterra.

“Eu estou feliz demais por voltar à França, onde já toquei em diversos festivais no tempo que morei em Paris, em 2001. É uma alegria estar de volta e reencontrar algumas pessoas e esse ambiente que eu adoro”, conta o instrumentista.

Segundo os críticos, Hamilton de Holanda praticamente reinventou o bandolim, ao adicionar duas cordas extras, passando a 10 no total. O aumento do número de cordas, aliado à velocidade de solos e improvisos, inspirou toda uma nova geração a se aproximar deste instrumento. Nos Estados Unidos, a imprensa logo o apelidou de “Jimmy Hendrix do bandolim”.

“A gente pensa sempre em fazer algo que emocione, que nos agrade e agrade as pessoas, que de alguma maneira transforme a vida delas por alguns momentos. Fico feliz de ver o bandolim de dez cordas sendo tocado por outros músicos, ver jovens se interessando por esse instrumento”, diz o compositor. “É uma busca constante pela evolução, mas também valorizando os mestres como Dominguinhos, Pixinguinha ou Tom Jobim”, completa. “Eu gosto muito da música de outros países também, gosto do flamenco, do jazz, da música da Venezuela, música clássica”, explica, ao falar de suas influências.

Instrumento antes da alfabetização

Hamilton de Holanda começou a tocar aos 5 anos de idade e a se apresentar aos 6. Uma precocidade natural para quem é filho, neto, sobrinho e irmão de músicos. 

"É um presente que eu ganhei, ter grandes músicos sempre tocando comigo, ensaiando, e ter nascido nesse ambiente musical. Poder proporcionar momentos de alegria com a família e os amigos, isso sempre foi muito natural", lembra.

Uma bagagem familiar que, posteriormente, foi lapidada no bacharelado em Composição pela Universidade de Brasília e com a prática das rodas de choro e samba.

“Desde pequeno eu tive contato com a música popular nas rodas de choro e, ao mesmo, estudava os compositores clássicos. Eu sempre tive essa porta aberta para dois universos que são diferentes. Um representa a modernidade e o outro a tradição, mas o mais importante é o momento presente.”

Ao longo da carreira, Hamilton de Holanda coleciona diversos prêmios. O músico já teve oito indicações ao Grammy Latino, e foi vencedor em duas edições: em 2016, na categoria de Melhor Disco Instrumental com “Samba de Chico” e, em 2015, na categoria Melhor Canção Brasileira com “Bossa Negra”.

"Eu nunca deixo a relação com a música virar uma coisa rotineira ou chata, na verdade a música ajuda a descomplicar a vida", conclui.

 

 

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista

"O problema do brasileiro é se conformar que Bolsonaro está eleito", diz Delfim Netto

Fotógrafa francesa Charlotte Dafol expõe em Paris imagens de ocupações brasileiras