rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Livro mostra como poder econômico compra eleição e enfraquece democracia

Por Adriana Moysés

Não é só no Brasil que a democracia está em crise. O fenômeno de desencanto com a política, também observado nos países avançados, provém de um sentimento de desapropriação sentido pela maioria dos eleitores. Eles têm a impressão que suas escolhas são confiscadas por uma minoria com forte poder econômico.

"O dinheiro compra eleições", observa a economista francesa Julia Cagé, professora do instituto de ciências políticas Sciences Po, em Paris. Ela acaba de lançar o livro "O preço da democracia" ("Le prix de la démocratie") pela editora Fayard e sugere formas de minimizar o efeito dessa distorção em uma entrevista à revista semanal L’Obs.

Julia Cagé é casada com o economista Thomas Piketty, autor de “O capital no século XXI”, o estudo sobre a concentração de riqueza e a evolução da desigualdade com mais de 2,5 milhões de exemplares vendidos no mundo. Com um currículo brilhante e doutorado em Harvard, Julia Cagé tem uma carreira sólida, independente de Piketty.

A economista analisou as campanhas legislativas e municipais na França desde 1993 e constatou que o financiamento privado teve um forte impacto sobre os resultados. Ela chegou à conclusão que o preço do voto no país vale, em média, € 32 (R$ 150). Todo candidato com um caixa de campanha capaz de gastar o dobro ou mais que um adversário conquista um voto a mais que seu concorrente. Sem regulamentação suficiente, o dinheiro compra uma eleição na mais absoluta legalidade.

A argumentação parece óbvia, mas a autora garante que o financiamento assimétrico das campanhas políticas está acabando com a democracia. Os partidos conservadores e os candidatos mais ricos são os que mais se beneficiam desse sistema. Os interesses das camadas desfavorecidas não são representados.

Na França, um cidadão pode doar até € 7.500 (R$ 35.600) por ano a um partido político, mais € 4.600 (R$ 21.800) a cada campanha eleitoral. O contribuinte ainda pode descontar dois terços do valor doado no imposto de renda. Segundo Julia Cagé, os doadores de campanhas na França representam 0,1% dos mais ricos e inundam de dinheiro os candidatos que vão defender seus interesses. Ela critica a legislação eleitoral francesa que, ao restituir no imposto os valores doados pelos mais ricos, transfere o gasto aos contribuintes de classe média.

O financiamento de campanhas vinculado aos resultados das legislativas anteriores também impede a emergência de novos partidos, principalmente aqueles ancorados mais à esquerda.

Para corrigir essa distorção e garantir a renovação política, a economista sugere a criação de um cheque cidadão de € 7 ao movimento político de livre escolha da pessoa. A doação seria assinalada na declaração anual do imposto de renda. Caso a pessoa não queira indicar um partido, o Estado distribuiria proporcionalmente o dinheiro de acordo com o número de deputados eleitos de cada partido na legislatura anterior. Por fim, ela propõe um sistema de cotas para a Assembleia Nacional, em que um terço dos candidatos seriam provenientes das camadas mais pobres da população.

Julia Cagé está convencida de que o futuro da democracia depende de maior representatividade social nas instituições.

Revista francesa aponta motivos para temer nova crise financeira mundial

Revista francesa questiona se “casamento” entre Bolsonaro e Guedes vai funcionar

Prefeita curda de 31 anos dirige a reconstrução de Raqqa, ex-capital do EI na Síria

Revista francesa L’Express dá destaque aos novos “políticos extravagantes” do Brasil

Briga por terras indígenas no Brasil esconde catástrofe ecológica na Amazônia

Livreiro espalha ursos de pelúcia em bairro de Paris e cria laços entre vizinhos

Revista conta como artistas húngaros vivem com a política repressiva de Orban

Figurinos de Jean Paul Gaultier para Portela já despertam interesse dos franceses

Revista L’Obs traz matéria sobre o “Fascismo Tropical” de Bolsonaro

Revista francesa traz perfil de vice de Bolsonaro, um “general sinistro”

Com recompensa de US$ 25 mi, líder do grupo EI é o homem mais procurado do mundo

Rival de Merkel consegue se impor como homossexual em partido homofóbico

Qualquer que seja o presidente eleito, será difícil tirar Brasil da crise, diz revista francesa Le Point

Psiquiatras franceses defendem Plano Nacional para tratar distúrbios mentais