rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Clima Acordo de Paris Acordo climático

Publicado em • Modificado em

Evento mundial chama atenção para causa ambiental e pede fim de combustíveis fósseis

media
Terra derretendo em manifestação pelo meio ambiente em Berlim AFP PHOTO / JOHN MACDOUGALL

O evento Rise for Climate (“Se levantar pelo clima”, em tradução livre), que acontece nesse sábado (8), deve reunir cerca de 1.000 atividades em mais de 90 países. Associações e cidadãos pedem o fim de combustíveis fósseis e um maior acesso a alternativas sustentáveis.


Nos Estados Unidos, as ONGs esperam “a maior passeata já vista em São Francisco”. Várias manifestações estão previstas por todo o mundo, com mobilizações no Brasil, França, Ucrânia, Austrália, Nigéria, Colômbia e diversos outros.

Além das comemorações e atividades previstas, haverá uma Cúpula Mundial da Ação Climática, que acontecerá do 12 ao 14 de setembro em São Francisco. A reunião contará com a presença de personalidades internacionais engajadas na causa ambiental.

“A Cúpula será de membros do poder público e da sociedade civil. Seu objetivo é abordar ações que ocorrem no mundo todo e inspirar projetos para as autoridades”, detalha a descrição do evento. “Mas não podemos nos limitar às palavras. É preciso ir além do Acordo de Paris sobre o clima.”

Evento é oportunidade para sociedade se expressar

“As grandes decisões vêm da sociedade civil, que se constitue como um ‘contra-poder’ diante dos lobbies muito bem estruturados. A mobilização em torno do Rise for Climate tem o objetivo de cobrar uma ação das autoridades”, explica Clémence Dubois, da ONG francesa 350.org. Na França, 130 eventos são previstos e recebem o apoio de ONGs como 350.org, ATTAC, Oxfam France e Amis de la Terre.

“Os objetivos internacionais devem ser atingidos antes de 2020 para impedir a crise ambiental. Temos pouco tempo para agir. Entretanto, projetos concretos feitos pelo governo são lentos demais”, diz o comunicado do evento. “Diante dos efeitos crescentes da mudança climática, não podemos mais ficar esperando negociações burocráticas.”