rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • França : Governo decide reabrir feira de Natal de Estrasburgo após ataque terrorista

França Air France Acidente Voo AF 447 Brasil Rio

Publicado em • Modificado em

Erro de pilotagem teria provocado a queda do voo Rio-Paris AF 447, diz novo relatório

media
Nas "causas indiretas" do acidente, os especialistas listam inúmeras deficiências passíveis de responsabilidade da empresa Air France, em termos de treinamento e informação. Reuters

Em um documento de 200 páginas entregue à Justiça no dia 24 de setembro, um segundo painel de especialistas responsabiliza em parte a Airbus e a Air France pela queda do voo Rio-Paris AF447, que causou a morte de 228 pessoas em 1° de junho de 2009. As conclusões finais do último relatório forense sobre o acidente foram publicadas pelo jornal Le Parisien na noite desta quinta-feira (4) e mais uma vez apontam os erros da tripulação, incluindo "ações inadequadas na direção manual" em face à "perda de controle " da aeronave que levariam à queda do A330.


Eles colocaram em segundo plano as responsabilidades da empresa Air France e especialmente a fabricante Airbus, ambos indiciados por "homicídio culposo" neste caso instruído em Paris há quase dez anos.

O cenário geral do acidente é agora conhecido: o elemento desencadeador do desastre foi a formação de gelo das sondas de Pitot do A330, que resultaram em indicações errôneas de velocidade e levaram, em cascata, à queda da aeronave.  Dentro da conjunção de fracassos técnicos e humanos, este segundo painel de especialistas acredita que "a causa direta do acidente foi a perda de controle da trajetória de voo da aeronave pela tripulação".

"Essa perda de controle resultou de ações inadequadas dos dois co-pilotos no cockpit - o capitão estava ausente e não havia deixado instruções, enquanto o avião atravessava o Atlântico”, escrevem os especialistas.

As famílias das vítimas protestam

Nas "causas indiretas", os especialistas listam inúmeras deficiências passíveis de responsabilidade da empresa Air France, em termos de treinamento e informação. Eles observam, em particular, "a falta de treinamento da tripulação em pilotagem em alta altitude" e "insuficiente processamento operacional (pela empresa) de incidentes de indicações de velocidade incorretas" para suas tripulações.

Quanto à Airbus, o único item citado é "a ambigüidade do procedimento Stall (o alarme de estol) na documentação" do construtor - uma classificação "validada pela DGAC" (Direcção-Geral de Aviação civil), sublinhou.

"A certificação de um aparelho pela DGAC confere o direito a erros que levam à morte de centenas de pessoas! "diz Sébastien Busy, advogado da associação Entraide e Solidariedade AF447.

Conclusões que tendem a diminuir responsabilidades da Airbus causam indignação entre as famílias das vítimas.

"As reações da tripulação teriam sido adaptadas a como se tudo estivesse funcionado bem! ", disse Danièle Lamy, que perdeu um filho no acidente. A presidente da Entraide e Solidariedade AF447 recorda que uma primeira perícia judicial, em 2012, não chegou às mesmas conclusões. Ela quer que as partes civis "questionem os especialistas do segundo painel". E insiste: "Esses dois relatórios contraditórios tornam necessário um debate judicial público. É preciso um processo! "; diz Lamy.