rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Por Elcio Ramalho

Dono de confeitaria em Brasília, o chef francês Daniel Briand mudou-se para o Brasil há 23 anos. Em entrevista à RFI, ele afirma que foi um dos pioneiros dessa arte culinária na cidade realizada por Oscar Niemeyer e ressalta que a ausência de açúcar em suas receitas foi o que deu sucesso a seu negócio.

“No início, minha clientela vinha do Itamaraty, eram jornalistas, pessoas de passagem", afirma Daniel Briand. "Eles reclamavam porque as minhas tortas, menores, custavam o mesmo preço que as tortas brasileiras tradicionais, que são maiores. Mas aos poucos foram descobrindo e começando a gostar.”

Daniel Briand afirma que não precisou adaptar suas receitas francesas ao paladar brasileiro, que é mais açucarado. “Na França, sempre procurei colocar cada vez menos açúcar, menos gelatina. Quando abri minha confeitaria em Brasília, decidimos fazer desse jeito. E foi o que deu sucesso para a gente. Muita gente, há vinte anos, já procurava uma confeitaria menos doce”, lembra.

Mercado brasileiro mudou

“Em 1993, não tinha manteiga sem sal no Brasil. Era complicado”, afirma o chefe. “Mas quando você começa a criar um mercado, o próprio mercado reage e hoje tem manteigas feitas artesanalmente. Isso é muito bom.”

Questionado sobre sua comida preferida, Briand responde que “não é de comer, é a caipirinha”. Ele também conta que gosta de ir aos self-services brasileiros, além de apreciar a carne e a mandioca. E revelou, por fim, o que menos gosta. “Jaca é complicado para mim”, brinca.

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

"Bacurau" mostra o Brasil, "um país maravilhoso, mas também muito feio”, disse Kléber Mendonça em Cannes

Com álbum “+100”, Casuarina apresenta samba moderno em turnê pela Europa

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Fotógrafo brasileiro expõe em Paris reflexões sobre memória e preservação

Tinta Bruta, o filme da 'bicha que resiste' estreia no circuito comercial na França

Exclusão do português em exame de entrada na universidade na França gera protestos

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

“Macron quis governar a França como uma startup”, diz especialista sobre dois anos do presidente no poder

“Fomos influenciados pela França desde a infância”, diz autora de guias turísticos

“Legado de Da Vinci é universal” e disputa entre França e Itália é política diz professor da USP

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

“Rever o modo de funcionamento da educação no Brasil é muito preocupante”, diz Carlos Cury

Protagonismo indígena do Brasil nas artes plásticas é tema de exposição na França

“Ataques contra universidades estimularam criação do Observatório do Conhecimento”, diz professora da UFRJ

“Eu sou uma mistura, então minha música é mestiça”, diz violonista pernambucana Fernanda Primo