rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Por Elcio Ramalho

Dono de confeitaria em Brasília, o chef francês Daniel Briand mudou-se para o Brasil há 23 anos. Em entrevista à RFI, ele afirma que foi um dos pioneiros dessa arte culinária na cidade realizada por Oscar Niemeyer e ressalta que a ausência de açúcar em suas receitas foi o que deu sucesso a seu negócio.

“No início, minha clientela vinha do Itamaraty, eram jornalistas, pessoas de passagem", afirma Daniel Briand. "Eles reclamavam porque as minhas tortas, menores, custavam o mesmo preço que as tortas brasileiras tradicionais, que são maiores. Mas aos poucos foram descobrindo e começando a gostar.”

Daniel Briand afirma que não precisou adaptar suas receitas francesas ao paladar brasileiro, que é mais açucarado. “Na França, sempre procurei colocar cada vez menos açúcar, menos gelatina. Quando abri minha confeitaria em Brasília, decidimos fazer desse jeito. E foi o que deu sucesso para a gente. Muita gente, há vinte anos, já procurava uma confeitaria menos doce”, lembra.

Mercado brasileiro mudou

“Em 1993, não tinha manteiga sem sal no Brasil. Era complicado”, afirma o chefe. “Mas quando você começa a criar um mercado, o próprio mercado reage e hoje tem manteigas feitas artesanalmente. Isso é muito bom.”

Questionado sobre sua comida preferida, Briand responde que “não é de comer, é a caipirinha”. Ele também conta que gosta de ir aos self-services brasileiros, além de apreciar a carne e a mandioca. E revelou, por fim, o que menos gosta. “Jaca é complicado para mim”, brinca.

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco