rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Meio Ambiente
rss itunes

"Bolsonaro teme que combate ao aquecimento global tire soberania brasileira da Amazônia", diz especialista

Por Maria Paula Carvalho

A agenda ambiental não recebeu atenção, durante o período eleitoral, à altura de sua importância estratégica para o futuro do Brasil e mesmo do planeta. Diversas organizações da sociedade civil divulgaram manifestos criticando as propostas iniciais de Jair Bolsonaro e defendendo uma política mais clara para o meio ambiente. 

 

O medo é de uma flexibilização das fiscalizações, além dos riscos de projetos de mineração e lavouras em terras indígenas, bem como o aumento do desmatamento. A proposta de unificar sob uma mesma pasta os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente é vista com preocupação e um indício de que os recursos naturais possam ficar em segundo plano.

“Isso mostra uma certa mentalidade, uma pré-disposição para achar que meio ambiente não é tão primordial, que está travando o crescimento econômico”, explica o diretor do Columbia Global Centers Rio de Janeiro, Thomas Trebat.  

A confirmação da fusão das pastas foi feita por dois futuros ministros do novo governo, Onyx Lorenzoni e Paulo Guedes. Porém, dias antes do segundo turno, Jair Bolsonaro afirmava estar aberto a negociações.

O professor americano da Universidade de Columbia destaca ainda a eterna polêmica existente em relação à soberania nacional da Bacia Amazônica.

“Existe sempre, sobretudo entre as Forças Armadas brasileiras, essa ideia de que quando surge a preocupação global com o aquecimento, com a preservação das florestas tropicais, sempre tem existido um medo no Brasil, subjacente muitas vezes, submerso, mas sempre presente de que é um complô global para o mundo tomar conta da Amazônia e tirar do Brasil. Isso é um forte sentimento entre as Forças Armadas e Bolsonaro representa esse pensamento um pouco nacionalista, com medo de entidades globais tirarem a soberania do Brasil”, afirma Trebat.

Sair do Acordo de Paris

Ainda em campanha, Jair Bolsonaro também chegou a afirmar que retiraria o Brasil do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas, argumentando que ele afetaria a soberania nacional. As declarações deixaram cientistas e ambientalistas apreensivos. Depois, o candidato, agora presidente, voltou atrás. Mas por razões que podem ser também comerciais, como explica Carlos Rittll, secretário-executivo do Observatório do Clima:

“Parte por reação, até mesmo do agronegócio. Quem vai para Bruxelas negociar acordos comerciais para vender nossas commodities no mercado europeu sabe que sustentabilidade está na mesa, que o acordo de Paris está na mesa, que são condicionantes para que o mercado aceite os nossos produtos”. 

A incerteza sobre os planos do novo governo em níveis regulatórios e mesmo judiciários coloca frente a frente os interesses de ambientalistas e do poderoso agronegócio brasileiro.

“Esse senso de responsabilidade, entender que meio ambiente precisa ser visto com os olhos do século XXI, e não com um olhar de cinquenta anos atrás, isso é fundamental. A gente espera, como dizemos aqui no Brasil, que a ficha caia muito rapidamente, porque não é só o meio ambiente que está em risco, mas é a própria imagem do país, a competitividade da nossa economia que corre perigo se a violência contra os povos indígenas aumentar, se o desmatamento aumentar e se o Brasil sair do lado daqueles que lutam contra o aquecimento global e virar um problema na mesa de negociação”, completa Rittll.

Em entrevista à Radio France Info, a presidente da ONG ambiental WWF da França, Isabelle Autissier, falou da preocupação internacional com os comentários do novo presidente do Brasil. 

“Ele já se exprimiu abertamente dizendo que a questão ambiental não lhe interessa e que se deve lutar contra as pessoas que defendem o meio ambiente, incluindo as comunidades locais na floresta, então eu penso que virão dias difíceis para os brasileiros, antes de tudo, porque é a sua riqueza. Hoje a Floresta Amazônica já foi devastada em 20%”, destaca a ambientalista. “É a maior floresta do mundo, a que capta mais carbono e que tem uma biodiversidade ainda hoje excepcional, e será um drama para a humanidade se a floresta Amazônica desaparecer, o que não está completamente excluído”, desabafa Autissier.

O diretor do Centro Nacional de Pesquisas Científicas da França, François-Michel Le Tourneau, reforça os riscos de uma política equivocada em relação ao meio ambiente e que poderia ter consequências em diversas frentes.  

“O risco geral é de um retrocesso na área de meio ambiente, com um passo atrás em relação a diversas políticas, a de proteção da Amazônia obviamente, e talvez um afrouxamento do código florestal. Vamos ver o que vem pela frente. Muito provavelmente o primeiro alvo vão ser as unidades de conservação e as terras indígenas, onde o governo vai querer abrir as possibilidades de exploração de minérios e de diversos recursos”, preocupa-se.

“É capaz que, continuando a agredir o meio ambiente na Amazônia e no cerrado, haja um colapso do ecossistema Brasil de um modo geral e aí o problema é que todo mundo vai perder, não só a Amazônia, mas também todas as regiões produtoras e todo o agronegócio brasileiro”, explica Tourneau. “E tudo isso contribuindo para a mudança global do planeta Terra e para consequências que nem podemos imaginar agora”, finaliza.

 

Fórum da Paz: somente cooperação global poderá conter a ameaça climática

Acabar com a demarcação de terras indígenas é um crime, uma catástrofe, diz ambientalista

Ativistas veganos por trás de ataques aos açougues na França afirmam que ações violentas são necessárias

Portugal dá passos concretos em direção ao fim do uso de combustível fóssil

Ambientalistas analisam programas dos presidenciáveis: de desastrosos a simplistas, poucos passam pelo crivo

Franceses são obrigados a cortar milhares de árvores para instalação de fibra ótica

Estudantes franceses propõem canudos de amido de milho como alternativa ao plástico

Cidadãos franceses contribuem como observadores para pesquisas sobre preservação das espécies

Geladeira solidária, mercado de produtos “feios”: novas armas contra o desperdício

Animais silvestres são vendidos facilmente pela internet a clientes europeus