rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Nobel de Economia vai para francesa, indiano e americano por estudos de combate à pobreza

Médicos Protestos Saúde

Publicado em • Modificado em

Médicos estrangeiros protestam por estabilidade profissional em Paris

media
En France, les médecins intérimaires sont beaucoup mieux payés que leurs confrères salariés. Dirk Anschutz / Getty images

Diversos profissionais da saúde estrangeiros se manifestaram na quinta-feira (15), em Paris, contra uma modificação na lei de autorização da prática médica na França. Após a alteração feita pelo Conselho Constitucional, alguns trabalhadores com diplomas de fora da União Europeia serão proibidos de exercer a profissão a partir de 1° de janeiro de 2019, ao invés de 2020, um ano antes do previsto.


O apelo foi feito pelo Sindicato Nacional de Profissionais da Saúde com Diploma de Fora da União Europeia e cerca de cem pessoas compareceram diante do ministério da Saúde para protestar contra a decisão do Conselho Constitucional. Entre eles: médicos, enfermeiros, acompanhantes, entre outros. “Queremos ser reconhecidos através de um status perene e acabar com essa precariedade que não tem fim”, diz um manifestante.

“É preciso acabar com essa hipocrisia e com a burocracia que não serve para nada. Tem pessoas que merecem ser valorizadas, que podem trabalhar e trazer muitas coisas a esse país”, disse outra profissional presente no protesto.

Médicos com diploma estrangeiro querem estabilidade profissional

A principal reivindicação dos manifestantes é uma estabilidade profissional e eles querem que a próxima lei da saúde, prevista para 2019, dê destaque a essa demanda. Em resposta à manifestação, uma delegação foi recebida no ministério da Saúde para uma hora de diálogo.

Após a conversa, o doutor Ould Zein, presidente do Sindicato que organizou o protesto, saiu do prédio com “boas notícias”. “Algumas mudanças começam na semana que vem e estamos no caminho certo. Vamos continuar fazendo pressão para que as coisas avancem”.

O futuro nas negociações com o governo parece tão promissor que uma greve, prevista pelo mesmo Sindicato para o fim do ano, foi suspensa. Mas isso vai depender de como as coisas continuam, prometeu Ould Zein.