rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Paris Protestos Manifestação

Publicado em • Modificado em

Coletes amarelos planejam novo protesto dia 1° de dezembro em Paris

media
A avenida dos Champs-Elysées, em Paris, durante protesto dos coletes amarelos (24/11/18). REUTERS/Gonzalo Fuentes

O movimento dos coletes amarelos está convocando um novo protesto para sábado, 1° de dezembro, na avenida dos Champs-Elysées, em Paris, para exigir o cancelamento do imposto ecológico que torna os combustíveis mais caros. Caso contrário, eles prometem forçar o presidente Emmanuel Macron à demissão. Ontem cem mil pessoas vestiram o colete amarelo em todo o país.


As operações de limpeza ainda aconteciam neste domingo (25), na avenida mais bonita do mundo, na capital francesa, após um dia de tensão e violência que reuniu cerca de oito mil manifestantes no local, quando as convocações começaram a surgir nas redes sociais.

Através de uma página que se diz oficial no Facebook, os coletes amarelos convocam a população para o “Terceiro Ato”, dia 1° de dezembro, às 14h, na Champs-Elysées. As reivindicações são: mais poder aquisitivo e cancelamento dos impostos sobre os combustíveis. Caso contrário, será a demissão de Macron.

“É preciso agir corretamente. Nada de vandalismo e cinco milhões de franceses nas ruas”, diz a convocação na página. Até meio dia de domingo, mais de 18 mil pessoas já tinham confirmado participação no novo ato, além de 14 mil que se diziam interessadas.

Sem controle

O movimento dos coletes amarelos surgiu de maneira espontânea nas redes sociais, sem apoio partidário ou sindical, e conseguiu parar o país no último dia 17, com bloqueios de estradas e acessos a aeroportos e centrais de abastecimento.

Os protestos continuaram com focos variados durante a semana toda, chegando até ao território da Reunião, onde os confrontos entre manifestantes e forças de ordem foram tão violentos que a metrópole mandou reforço militar à ilha.

Paralelamente, foram surgindo apelos nas redes sociais para uma mobilização nacional em Paris.

Sábado, Segundo Ato

A princípio, as autoridades deram permissão para que o evento de ontem, batizado de “Segundo Ato”, acontecesse no Campo de Marte, ao pé da Torre Eiffel, por ser um local mais fácil de ser controlado, sem comércio ao redor. Mas os coletes amarelos, sempre através das redes sociais, desviaram o ponto de concentração para a avenida dos Champs-Elysées.

O protesto, que começou de forma pacífica, acabou tendo atos de vandalismo e violência, resultando em 24 pessoas feridas, incluindo cinco agentes das forças de segurança. Extremistas de direita que teriam se infiltrado na manifestação são responsabilizados pelos atos de vandalismo. Segundo a polícia, cem pessoas foram detidas.